Ambiente

ONG denuncia desflorestação devido a cultura de cacau na Costa do Marfim

RTR420RK

O chocolate consumido no Ocidente está na origem da desflorestação na Costa do Marfim, maior produtor mundial de cacau.

O chocolate consumido no Ocidente está na origem da desflorestação na Costa do Marfim, maior produtor mundial de cacau, denunciou a organização não-governamental Mighty Earth num relatório, acusando as grandes empresas do setor de “produção ilegal”.

“Para satisfazer a procura de gigantes da chocolataria como a Nestlé, a Cadbury e a Mars, muitos parques nacionais do país e área protegidas foram desflorestadas para dar lugar a explorações de cacau, a matéria-prima do chocolate”, lamentou a Mighty Earth.

Segundo a ONG, “o setor do cacau na Costa do Marfim não se contentou com os territórios que podia desflorestar legalmente, nos últimos anos, e contribuiu igualmente para a instalação em grande escala de explorações de cacau nos parques naturais e áreas protegidas do país”.

“A conversão de florestas em culturas de cacau em áreas protegidas infringe a lei da Costa do Marfim”, sublinha-se no relatório, que aponta o dedo aos grandes negociantes, como Olam, Cargill e Barry Callebaut.

Esses três comerciantes compram cacau e vendem-no em seguida às gigantes do chocolate, como a Mars, a Hershey, a Mondelez e a Ferrero, de acordo com a Mighty Earth, que refere um mercado de consumo mundial de chocolate e produtos derivados do cacau que ascende a 100 mil milhões de dólares.

Em setembro de 2016, a Sociedade de Desenvolvimento das Plantações Florestais (Sodefor), uma empresa estatal gerida por privados, alertou que a quase totalidade das florestas classificadas da Costa do Marfim estava a ser destruída, devido a ocupações ilegais e desflorestações selvagens.

O território costa-marfinense tinha 16 milhões de hectares de floresta nos anos 1960, mas o crescimento demográfico do país e a desflorestação maciça ligada à plantação de cacau reduziram essa superfície para cerca de seis milhões de hectares.

O país é o principal produtor mundial de cacau, com 40% do mercado, sendo o cacau vital para a sua economia. O setor representa 15% do Produto Interno Bruto (PIB), mais de 50% das receitas das exportações e dois terços dos empregos (diretos e indiretos) e dos rendimentos da população, segundo o Banco Mundial.

Mas os preços do cacau caíram em um terço entre 2016 e 2017, devido a uma boa colheita que levou a um excedente de oferta em relação à procura mundial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Turismo vale 16% da atividade económica portuguesa

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Défice público cai 59% até ao final de outubro

Marco Schroeder

Marco Schroeder renuncia a cargo de CEO da Oi

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
ONG denuncia desflorestação devido a cultura de cacau na Costa do Marfim