portos

Operadores do Porto de Lisboa denunciam contrato coletivo com estivadores

( Natacha Cardoso/ Global Imagens )
( Natacha Cardoso/ Global Imagens )

A AOPL explicou, como um dos fundamentos da decisão, as “perdas de carga e de clientes no Porto de Lisboa desde 2016”.

A Associação de Operadores do Porto de Lisboa (AOPL) denunciou o contrato coletivo de trabalho com os estivadores, alegando que este estava “totalmente desajustado da realidade” pela “perdas de carga e clientes” desde 2016, anunciou hoje a entidade.

Em comunicado, a AOPL explicou, como um dos fundamentos da decisão, as “perdas de carga e de clientes no Porto de Lisboa desde 2016”.

Para a associação, o atual acordo, que classifica como “o mais dispendioso do país”, está “totalmente desajustado” e “tem-se revelado incapaz de garantir a paz social, um dos principais, se não o principal fim, que almejava”.

“É urgente adequar a organização e a regulação do trabalho portuário no Porto de Lisboa às novas exigências internacionais da operacionalidade”, sublinha o comunicado.

A AOPL realçou ainda que, “apesar do acordo alcançado em 2016”, o Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal tem “sistematicamente violado as disposições alcançadas e tem sido recorrente o recurso à greve”.

“Até durante a situação de pandemia mundial que vivemos, [o sindicato tem] uma paralisação convocada até ao próximo dia 06 de julho. Situação agravada pela violação dos serviços mínimos decretados, da requisição civil e até das restrições legais impostas pelo estado de emergência”, acrescenta.

Para a AOPL estas práticas “originaram prejuízos avultados” e “inviabilizaram até o abastecimento atempado de bens alimentares e material médico de combate à covid-19 em diversas regiões do continente e ilhas”.

A denúncia do contrato coletivo de trabalho foi comunicada ao sindicato por carta, refere ainda, explicando que “até que um novo acordo seja alcançado” fica a vigorar o atual contrato coletivo celebrado em 2016 e que tem vigência até outubro de 2022.

“Com este cenário, não restou à AOPL, em boa-fé e com vista à viabilidade económica dos seus associados, outra solução que não fosse a de proceder à denúncia do contrato coletivo, na expectativa de que possam existir novas regras mais adequadas à situação económica atual e mais conforme ao presente quadro laboral”, conclui o comunicado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
dbrs-1060x594

DBRS mantém rating de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

O primeiro-ministro, António Costa, intervém durante a cerimónia de assinatura de declaração de compromisso de parceria para Reforço Excecional dos Serviços Sociais e de Saúde e lançamento do programa PARES 3.0, no Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, em Lisboa, 19 de agosto de 2020. ANDRÉ KOSTERS/LUSA

“Na próxima semana podemos chegar aos 1000 casos por dia”, avisa Costa

App Stayaway covid

App Stayaway Covid perto do milhão de downloads. 46 infetados enviaram alertas

Operadores do Porto de Lisboa denunciam contrato coletivo com estivadores