CP

Operadores turísticos do rio Douro criticam “mau serviço” da CP

Foto: Igor Martins / Global Imagens)
Foto: Igor Martins / Global Imagens)

Os operadores turísticos marítimos do Douro criticaram o "mau serviço" da CP que dizem estar a provocar "consequências negativas" ao turismo na região

Os operadores turísticos marítimos do rio Douro criticaram hoje o “mau serviço” da CP — Comboios de Portugal na Linha do Douro, que dizem estar a provocar “consequências negativas” às empresas e ao turismo na região.

“Num dos fins de semana de maior tráfego turístico no Porto e nos 13 municípios da região do Alto Douro Vinhateiro, a CP — Comboios de Portugal, dá mostras, uma vez mais, das suas fragilidades operacionais, prejudicando seriamente a atividade económica regional e a mobilidade das populações”, lê-se num comunicado assinado pelas operadoras Barcadouro, Rota Ouro do Douro e Tomaz do Douro.

Segundo as empresas, “continua a haver ligações suprimidas em cima da hora, sobrelotação das carruagens, faltas de manutenção e avarias recorrentes do material circulante, falhas nos sistemas de ar condicionado, carruagens grafitadas (vidros incluídos) e o recurso reiterado a autocarros que fazem por via terrestre o percurso que milhares de turistas antecipadamente escolheram fazer por ferrovia”.

As operadoras acusam ainda a CP de, “para seu próprio prejuízo e com consequências negativas para o produto turístico Douro”, não estar a prestar “um serviço compatível com as necessidades da indústria turística, a mobilidade das populações e a sustentabilidade dos territórios”.

Questionam mesmo “se a empresa continua a ter condições para assegurar o serviço público de transporte ferroviário, missão que legalmente lhe está cometida há 156 anos”.

Para as três operadoras, há uma “oferta insuficiente e desajustada da procura”, tendo também “suspeitas de desvio de automotoras e carruagens” da Linha do Douro para outras, como alegam estar “a acontecer, neste fim de semana, com os ‘comboios especiais’ entre Nine e Viana do Castelo”.

Responsabilizam por isso a CP pelos prejuízos que dizem ter registado nas últimas semanas “com as desmarcações e pedidos de reembolso de agências de viagens, grupos de turistas estrangeiros e famílias inteiras, pela insuficiente resposta do serviço público ferroviário e inferior valor turístico das alternativas rodoviárias disponibilizadas”.

As empresas apelam ainda aos ministérios da Economia e do Planeamento e das Infraestruturas, à Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, entre outras entidades, para que coloquem “a CP e o turismo no Douro no topo das respetivas agendas”.

A Lusa tentou ouvir a CP, mas não foi possível ter qualquer esclarecimento até ao momento.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O antigo secretário de Estado da Energia e da Inovação, Henrique Gomes, fala perante a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade, na Assembleia da República em Lisboa, 23 de janeiro de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Henrique Gomes disse que “Mexia é osso duro de roer” e teve de sair da REN

A área alimentar gerou vendas históricas de quatro mil milhões de euros. Fotografia: D.R.

Sonae atinge vendas recorde de 6,3 mil milhões com impulso do Natal

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Universidade Católica prevê menos crescimento em 2018 e 2019

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Operadores turísticos do rio Douro criticam “mau serviço” da CP