Ministério das Finanças

Orçamento francês será revisto nos próximos dez dias

Nicolas Sarkozy e Carla Bruni
Nicolas Sarkozy e Carla Bruni

O ministro das Finanças francês afirmou hoje que o governo irá reformular, nos próximos 10 dias, o orçamento deste ano tendo em conta a revisão em baixa do crescimento da economia.

“Nos últimos três ou quatro meses houve um abrandamento e o orçamento será devidamente ajustado”, disse François Baroin em declarações à rádio France-Info, citadas pela Associated Press (AP).

Depois da Alemanha, a França é a segunda maior economia da Zona Euro e um abrandamento no seu crescimento pode prejudicar o processo de ajuda em curso a países mais fracos da União.

O atual Orçamento do Estado para 2012 pressupõe um crescimento económico de um por cento, que será agora revisto, prevendo-se ainda que o orçamento retificativo estabeleça uma subida dos impostos sobre o consumo e outras medidas anunciadas pelo presidente Nicolas Sarkozy para reduzir a dívida e potenciar o crescimento.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou no domingo um aumento do IVA para financiar a proteção social, numa emissão televisiva destinada à última série de reformas que deverá fazer antes das presidenciais.

Sarkozy indicou que o governo vai propor um aumento “de 1,6 do IVA” para compensar a diminuição dos encargos sociais das empresas.

“Esta medida só vai entrar em vigor a 1 de outubro. Esperamos que antes do aumento as compras disparem e impulsionem o crescimento”, acrescentou.

O objetivo desta reforma é restabelecer a competitividade da economia francesa e travar a perda de empregos na indústria.

“Em 10 anos, a França perdeu 500 mil empregos na indústria”, afirmou Sarkozy, sublinhando que para um salário de 4.000 euros, os encargos são de 840 euros na Alemanha “e o dobro em França”.

O governante francês referiu que a reforma da proteção social visa penalizar mais o consumo e menos o trabalho e é inspirada na ação do antigo chanceler social-democrata alemão Gerhard Schroeder.

A taxa normal de IVA passa para 21,2 por cento, o que permite compensar isenções de encargos no valor de 13 mil milhões de euros.

O presidente francês anunciou ainda que a França vai adotar a partir de agosto uma taxa de 0,1 por cento sobre transações financeiras esperando que outros países europeus que até agora têm sido hostis a esta medida a sigam.

O presidente francês, que recusou confirmar formalmente que é candidato às presidenciais, previstas para 22 abril e 6 de maio, assinalou ainda que a crise na zona euro melhorou.

“A Europa já não está à beira do abismo”, afirmou na véspera de uma cimeira europeia em Bruxelas

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, durante a inauguração das Escadinhas da Saúde rolantes, ao Martim Moniz. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens

Crescimento do turismo em 2019 é o mais baixo desde a última crise

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP.
JOÃO RELVAS/LUSA

Bancos ganharam mais de 5,2 milhões por dia

Miguel Maya, presidente executivo do Millennium BCP, durante a conferência de imprensa de apresentação dos resultados do 1.º trimestre de 2019, Lisboa, 9 de maio de 2019. JOÃO RELVAS/LUSA

BCP vai fazer uma proposta de distribuição de dividendos “muito conservadora”

Orçamento francês será revisto nos próximos dez dias