custo de vida

Preços destes bens e serviços subiram mais do que taxa geral de inflação

caixa de supermercado

Custo de bens alimentares, energia transportes, educação, restaurantes e hotéis aumentaram acima do nível geral de preços em 2017.

O preço de vários bens alimentares cresceu, em 2017, acima do valor homólogo da inflação geral apurado em dezembro último. O mesmo sucedeu com alguns produtos e serviços no setor da energia (combustíveis e gás), transportes, educação e saúde. Pelo menos dois terços do orçamento familiar foi tocado, em maior ou menor grau, pela subida do custo de vida.

inflacao NET2

O índice relativo a dezembro de 2017 dá conta de um aumento geral dos preços na ordem de 1,5% relativamente a igual mês do ano anterior. No entanto, aquele valor não revela, por si só, o impacto real nos orçamentos dos particulares. Cerca de 14% dos gastos familiares mensais prendem-se com a alimentação. Só nessa categoria, houve um agravamento de 2,2% no pão e cereais, 3,1% na carne, 2,1% no peixe, 1,8% no leite, queijo e ovos, 8,2% nas bebidas não alcoólicas e 12% na água mineral, refrigerantes e sumos de fruta.

Efeito da seca

“Todos os produtos que eventualmente afetados por alterações climatéricas poderão ter sofrido aumento de preços. A seca afetou os produtos de origem animal [carne, por exemplo] e aqueles que são provenientes da terra”, refere Pedro Pimentel, diretor-geral da Associação Portuguesa das Empresas de Produtos de Marca (Centromarca).

“O aumento no leite explica-se pela crise do setor em 2016, com reflexos na variação de 2017. Quanto aos produtos agrícolas, não acredito que a seca em Portugal tenha tido impacto significativo. A distribuição compra os produtos em vários países, exceto no caso da castanha, produto muito específico do nosso país que teve um aumento de preço na ordem dos 60%”, contrapõe Luís Mira, secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP). Segundo as previsões agrícolas do Instituto Nacional de Estatística (INE), além das castanhas, a seca também chegou ao arroz, um produto de mais fácil importação e, portanto, suscetível de encarecer pelo facto de ser proveniente de outros países.

Os aumentos de 12% na categoria que abarca “água mineral, refrigerantes e sumos de frutas e de produtos hortícolas” e de 8,2% nas “bebidas não alcoólicas” têm uma explicação distinta. “A subida de preços ficou a dever-se ao agravamento fiscal ditado pelo Orçamento do Estado para 2017. Passaram a estar sujeitas a Imposto sobre o Álcool e as Bebidas Alcoólicas (IABA) as bebidas adicionadas de açúcar ou de outros edulcorantes (refrigerantes, águas aromatizadas e bebidas energéticas), as que têm um teor alcoólico entre 0,5% e 1,2% e ainda os concentrados, sob a forma de xarope ou pó, destinados à preparação daquelas bebidas.

O boom do turismo

O índice elaborado pelo INE dá conta de aumentos de preços na restauração (2%) acima do valor global da inflação homóloga (1,5%). Muito superior foi o agravamento na categoria “serviços de alojamento”, com uma subida de 8,47%. “Trata-se da evolução do turismo, não só em quantidade como, sobretudo, em qualidade. O preço da diária para o turista subiu muito, o que é bom sinal, mas acredito que grande parte da estatística do INE seja mais influenciada pelos hotéis e não tanto pelo alojamento local”, explica Eduardo Miranda, presidente da Associação do Alojamento Local em Portugal .

Por fim, bens tão essenciais como os medicamentos (3,76%) ou serviços como o metro ou o autocarro (1,88%),subiram bem acima do nível geral de preços.

Em compensação, o salário mínimo nacional subiu 5% em 2017, de 530 para 557 euros, dando um novo salto, para os 580 euros, no início deste ano. Abrange “apenas” 713 mil trabalhadores, mas acaba por inflacionar outros escalões salariais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Artur Machado/Global Imagens.

Donos de alojamento local contestam agravamento das tarifas da água

Miguel Pina Martins, CEO da Science4you.

(Nuno Pinto Fernandes/Global Imagens)

Science4you quer alargar prazo da oferta pública até fevereiro

(Carlos Santos/Global Imagens)

Porto de Setúbal: Acordo garante fim da greve às horas extraordinárias

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Preços destes bens e serviços subiram mais do que taxa geral de inflação