crédito à habitação

Pagar a casa ao banco custa hoje menos 35% do que há 20 anos

Fotografia: Global Imagens
Fotografia: Global Imagens

A prestação de um empréstimo à habitação de 150 mil euros, por um prazo de 30 anos, é hoje de menos de 460 euros por mês; há 20 anos, o mesmo crédito custava mais de 700 euros. A ‘culpa’ é da política do BCE que atirou as Euribor para taxas negativas.

Comprar casa vai ser ainda mais barato já este mês. A prestação mensal de um empréstimo de 150 mil euros, por um prazo de 30 anos, indexado à Euribor a seis meses, e com um spread de 1%, vai custar 458,92 euros, menos 7,45 euros do que estava a pagar até agora, de acordo com as contas da Deco, a Associação de Defesa do Consumidor. Parece pouco, mas em julho de 2009 esse mesmo empréstimo ao banco custava 570,54 euros por mês. E há 20 anos o encargo mensal ascendia a 706,73 euros. Hoje, comprar uma casa ao banco custa menos 35% do que há duas décadas. A ‘culpa’ é da política de injeção de dinheiro do Banco Central Europeu (BCE), que tem atirado as taxas Euribor, a referência dos empréstimos, para valores cada vez mais negativos.

Estas são “boas notícias” para os consumidores, atendendo, sobretudo, que “esta evolução [em baixa] das taxas de juro se vai manter por mais algum tempo”, considera Nuno Rico, economista da Deco/Proteste, até porque o BCE já deu indicações de que, com a economia europeia a arrefecer, poderá baixar ainda mais os juros.

Até onde será comportável para os bancos esta descida é algo que Nuno Rico considera impossível de prever. “Há quatro ou cinco anos falar em taxas de juro negativas era um cenário completamente utópico”, lembra. E hoje há cerca de 30 mil contratos com spreads abaixo dos 0,3% que já beneficiam dos juros negativos, estima a Deco. Ou seja, são os bancos que pagam o empréstimo.

A taxa média da Euribor a seis meses atingiu em julho um novo mínimo histórico de -0,347%, e os bancos são obrigados – a nova legislação foi aprovada, o ano passado, na Assembleia da República – a descontarem os juros negativos nos spreads dos clientes. Quando deixa de haver spread para descontar, o banco passa a amortizar capital em dívida, embora a lei também permita que seja criado um crédito de juros para quando a taxa voltar a ser positiva. A maioria dos bancos escolheu a primeira via, esmagando as suas margens de lucro.

Com as taxas de juro historicamente baixas e a aposta de novo dos bancos na concessão de crédito, a Deco vai alertando os consumidores para a necessidade de “alguma ponderação. Um contrato de crédito à habitação dura, em média, 30 anos e as famílias devem avaliar muito bem se, perante um aumento das taxas de juro ou uma diminuição dos seus rendimentos terão capacidade para o suportar. Não esqueçamos que ainda há 11 anos as taxas de juro estavam acima dos 5%”, frisa Nuno Rico.“Tudo indica que as taxas se manterão negativas mais uns anos, mas dificilmente se manterão baixas durante toda a vigência do contrato”.

Do lado da banca há, também, “atitudes” que preocupam a Deco, que teme que se estejam a “repetir erros do passado”. Sobretudo no crédito ao consumo e à “facilidade” com que hoje se pode contratar um financiamento através do telemóvel e dos sistemas de homebanking.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Pagar a casa ao banco custa hoje menos 35% do que há 20 anos