Coronavírus

Pais aplaudem decisão de manter escolas fechadas e adiar exames

(Ivo Pereira/Global Imagens)
(Ivo Pereira/Global Imagens)

Associações saudaram as decisões em manter o ensino a distância e só retomar as aulas presenciais no secundário caso haja garantias de segurança.

Tanto o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap) como o presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE) aplaudiram as decisões anunciadas hoje pelo primeiro-ministro António Costa para a área da educação, tendo em conta a pandemia de covid-19.

“As medidas correspondem ao que nós queríamos”, defendeu o presidente da CNIPE, Rui Martins, em declarações à Lusa, após a conferência de imprensa em que António Costa anunciou as medidas decididas hoje em Conselho de Ministros.

“São as opções possíveis tendo em conta a situação que vivemos”, corroborou o presidente da Confap, Jorge Ascenção, também em declarações à Lusa.

Os dois representantes dos pais e encarregados de educação apontaram como pontos positivos a decisão do Governo em manter as escolas fechadas e optar pelo ensino à distância até ao final do atual ano letivo.

A medida prevê uma exceção para os alunos do 11.º e 12.º anos, que poderão regressar às salas de aula, mas esta mudança estará sempre dependente da evolução da disseminação do novo coronavírus.

Tanto a Confap como a CNIPE concordaram com a decisão de os alunos do secundário puderem regressar às escolas em maio caso a evolução da pandemia assim o permita e tendo em conta as regras hoje anunciadas por António Costa.

Caso as escolas reabram, os alunos terão apenas aulas às 22 disciplinas sujeitas a exames nacionais e o acesso aos estabelecimentos de ensino será feito com o uso de máscaras e garantindo as distâncias de segurança e higienização.

“É muito difícil ter hoje decisões definitivas sobre o início de maio. Mas desejamos que tal seja possível, que haja condições de segurança para que os alunos do secundário regressem à escola”, reconheceu presidente da Confap.

Além do ensino à distância, os alunos do ensino básico — do 1.º ao 9.º anos — terão o apoio de aulas transmitidas diariamente através do canal RTP Memória, a partir de 20 de abril.

Outra das medidas aplaudidas pelos pais foi a de manter a avaliação dos alunos por parte dos professores e a de deixar cair as provas de aferição e os exames do 9.º ano de escolaridade.

“Não é tempo de desistir. Temos de tentar”, sublinhou Jorge Ascenção, que considera fundamental os jovens continuarem as suas aprendizagens.

Sobre o adiamento dos exames nacionais e a possibilidade de a atividade letiva se estender até 26 de junho, os pais também se mostram compreensivos.

Jorge Ascenção lamentou apenas que o apoio às famílias não tenha sido alargado para quem tem filhos até aos 16 anos, mantendo-se nos 12 anos.

O Governo decidiu em março encerrar todas as escolas e desde 16 de março que o ensino passou a ser feito à distância. Em casa, estão cerca de dois milhões de crianças e jovens que frequentavam desde creches a estabelecimentos de ensino superior.

Apesar de ter sido questionado pelos jornalistas, António Costa não avançou novidades sobre a possibilidade de reabertura das creches. Já sobre o ensino pré-escolar, considerou que não há ainda condições de segurança e, por isso, estes estabelecimentos de ensino também vão continuar fechados.

O Governo decretou no final do mês passado o Estado de Emergência, que foi prorrogado por mais 15 dias, por causa da disseminação do novo coronavirus que já fez mais de 400 mortos e infetou quase 14 mil pessoas em Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Só 789 empresas mantiveram lay-off simplificado em agosto

Pais aplaudem decisão de manter escolas fechadas e adiar exames