Internet

Países ao redor da Amazónia querem partilhar controlo de domínio “amazon.com”

O criador da empresa, Jeff Bezos, queria um nome que tivesse a letra inicial "a" para aparecer no topo de qualquer lista alfabética.Ele encontrou a inspiração no Rio Amazonas: gostou da ideia de usar o nome do maior rio do mundo para representar suas ambições nos negócios.

As duas partes têm até final de abril para chegarem a um acordo.

O Brasil propôs um acordo para a batalha de sete anos sobre o domínio de internet “Amazon.com”. O país sul-americano quer que as nações que fazem “fronteira” com a maior floresta tropical do mundo (Amazónia) partilhem o controlo do endereço com a retalhista digital.

A Amazon tem vindo a lutar pelos direitos do domínio desde 2012. Mas, segundo a Reuters, os países ao redor da Floresta da Amazónia, Brasil, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana e Suriname, defendem que esse domínio refere-se à região geográfica e por isso pertence a estes países e não à empresa.

A organização que supervisiona os endereços da internet, Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), estendeu o prazo até final de abril para que as partes cheguem a um acordo.

“Como solução de compromisso para a questão ‘.amazon’, propusemos a nossa participação no controlo desse território digital, com vista a salvaguardar e promover o património natural, cultural e simbólico da Amazónia na internet”, referiu o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Otavio Brandelli.

Em declarações à agência, o ministro afirmou que este seria um “mecanismo inovador, que colocava um precedente positivo de parcerias público-privadas no desenvolvimento do controlo da internet”.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Países ao redor da Amazónia querem partilhar controlo de domínio “amazon.com”