media

Pandemia provoca despedimentos nos media e acelera fim do papel

(EDUARDO COSTA/LUSA)
(EDUARDO COSTA/LUSA)

A pandemia está a levar à multiplicação de despedimentos de jornalistas em todo o mundo e a acelerar o fim do papel, segundo especialistas e profissionais, apesar do aumento do interesse pela informação em tempo de crise sanitária.

Desde o início da crise, mais de 36.000 trabalhadores dos media norte-americanos, com efetivos já reduzidos nos últimos anos, foram afetados pela queda das receitas publicitárias, segundo uma análise do New York Times, citada pela agência de notícias France-Presse (AFP).

O grupo norte-americano Condé Nast, editor da Vogue, Wired e New Yorker, anunciou o despedimento de uma centena de trabalhadores de um total de 6.000, enquanto o grupo Vox Media (editor do portal The Verge e New York Magazine) vai despedir 72 assalariados, a maioria em desemprego parcial.

O New York Times despediu 68 empregados do departamento comercial.

Os jornais americanos já tinham despedido metade dos seus funcionários entre 2008 e 2019, de acordo com o Pew Institute.

No Reino Unido, o Guardian anunciou 180 despedimentos, enquanto a revista The Economist deverá suprimir 90 postos de trabalho.

Em França, cerca de 50 redações locais, algumas centenárias, fecharam portas por causa da crise, segundo o Instituto Poynter, citado pela AFP.

O diário regional La Marseillaise foi colocado em liquidação judicial, enquanto o jornal Le Parisien prevê a supressão de 30 postos de trabalho.

Após a liquidação judicial do jornal Paris-Normandie, o novo comprador, o grupo belga Rossel, anunciou igualmente a supressão de um quarto dos seus efetivos.

A informação digital também sofreu reveses com a crise. “A imprensa com fins lucrativos entrou em colapso e os jornais não conseguiram construir uma resposta digital”, disse à AFP Penelope Abernathy, antiga vice-presidente do The Wall Street Journal e do New York Times, atualmente professora de economia dos ‘media’.

O grupo Vice Media prevê despedir 55 postos de trabalho nos Estados Unidos e uma centena no resto do mundo, segundo um comunicado do grupo, citado pela imprensa local.

Para alguns, a crise é a oportunidade para acelerar a transição para um modelo económico baseado em assinaturas – caso do ‘site’ de informação económica norte-americano Quartz, que deverá suprimir 40% dos efetivos, sobretudo no departamento comercial.

O audiovisual também foi afetado pela pandemia. No Reino Unido, a BBC anunciou que vai suprimir 520 postos de trabalho, de um total de 6.000.

Nos Estados Unidos, a NBCUniversal reduziu em 20% os salários mais altos, enquanto o gigante ViacomCBS prevê suprimir 10% dos 35.000 postos de trabalho, de acordo com a Bloomberg.

Com a crise sanitária, tornou-se mais difícil levar os jornais aos locais de venda e mais complicado para os clientes obtê-los.

A pandemia “acelerou quase certamente a transição para um futuro 100% digital”, aponta-se no relatório de 2020 do Instituto Reuters, citado pela AFP, que indica que a crise está a atingir uma indústria já enfraquecida pela queda das receitas de vendas e da publicidade, as suas principais fontes de rendimento.

No Brasil e no México, alguns dos maiores diários abandonaram temporariamente o papel por publicações totalmente digitais.

Nas Filipinas, 10 dos 70 jornais membros do Instituto de Imprensa (PPI) foram obrigados a fechar por causa da pandemia. “Os tempos são difíceis: não há anunciantes e ninguém nos lê”, lamentou o diretor executivo da PPI, Ariel Sebellino, em declarações à AFP.

No Reino Unido, os principais jornais conquistaram mais 6,6 milhões de leitores online no primeiro trimestre, um recorde, de acordo com a associação comercial inglesa.

Apesar disso, a maioria dos jornais não recuperou os números das vendas em papel. “Esta é a maior ameaça para a indústria noticiosa mundial desde a crise económica de 2008”, advertiu a revista inglesa especializada Press Gazette.

O jornal New York Times, nos Estados Unidos, viu as suas receitas em linha excederem as receitas em papel pela primeira vez no segundo trimestre.

Jornais gratuitos como o Metro e o Destak no Brasil, ou o 20 Minutos em França, também suspenderam temporariamente a sua publicação.

Na Alemanha, apesar de o número de leitores de jornais em versão digital ter aumentado, os profissionais não acreditam que o fim do papel esteja para breve.

“Ainda há demasiados leitores que querem ter os seus jornais nas mãos”, disse à AFP o presidente da Federação de Jornalistas Alemães, Frank Überall, “e eles são a maioria na Alemanha, especialmente os mais velhos”.

Imprensa na Alemanha espera sair reforçada da pandemia

A imprensa alemã espera emergir mais forte da pandemia de covid-19, que restaurou a sua credibilidade e impulsionou a expansão digital, apesar do colapso das receitas publicitárias durante o confinamento, defenderam profissionais e especialistas.

“A imprensa resistiu relativamente bem à crise na Alemanha”, disse à agência de notícias France-Presse (AFP) Monique Hofmann, especialista em meios de comunicação social do sindicato dos serviços Verdi. “Pensamos que a necessidade de informação continuará muito elevada e que a indústria deverá emergir mais forte da crise”, acrescentou.

O balanço elaborado pelo setor no auge da crise, entre março e maio deste ano, também deu “razões para ter esperança” à federação da imprensa escrita e digital da Alemanha (BDZV, na sigla em alemão).

Um quarto dos seus membros registou vendas estáveis, tendo metade conseguido limitar o declínio a entre 1 e 5%, enquanto um décimo sofreu perdas pesadas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Moratórias bancárias estendidas até final de setembro de 2021

Pandemia provoca despedimentos nos media e acelera fim do papel