Preços

Pão mais caro está na Dinamarca. Carne mais barata vende-se na Roménia

Estes são os produtos que vale a pena comprar de marca branca

Portugal está ligeiramente abaixo da média europeia. Ainda assim, leite, queijo e ovos são 9% mais caros do que os preços praticados na UE.

O carrinho de compras mais caro da União Europeia é da Dinamarca, onde o preço da comida e das bebidas não alcoólicas é 30% superior à média comunitária (100%), de acordo com os dados do índice sintético do Eurostat. A seguir estão Luxemburgo, Áustria, Irlanda, Finlândia e Suécia. No extremo oposto está a Roménia, onde o índice de preços da alimentação está nos 66%.

Em Portugal, os preços encontram-se apenas 1% abaixo da média europeia. Dentro da alimentação, destacam-se o leite, queijo e ovos como os produtos mais caros, com um índice preços de 109% (acima da média). Segue-se o pão e os cereais (98%) e a carne (83%).

O preço das bebidas alcoólicas ultrapassa a média da Europa em dois pontos percentuais, mas o tabaco é mais barato, com um índice de preços de 86%.

O tabaco mais caro vende-se no Reino Unido, com os preços a mais do dobro da média europeia (204%). O mais barato está na Bulgária a metade do preço médio europeu (49%), país onde um pacote de leite custa quase o dobro de um maço de cigarros.

É também na Bulgária, onde se pode comprar as bebidas alcoólicas mais baratas (74%). As mais caras encontram-se na Suécia, onde os preços são 52% superiores à média europeia.

Dentro da UE, é na Áustria que a carne é mais cara, com um preço 46% acima da média comunitária. No entanto, a carne mais cara da Europa está na Suíça. O preço supera a média em 128 pontos percentuais. Já o pão custa mais 63%.

A Dinamarca, que apresenta o índice de comida e bebidas não alcoólicas mais caro, é onde o país da UE com o preço mais elevado. O pão é 30% mais caro do que a média europeia. Mais uma vez, ultrapassado pela Suíça, que faz parte do bloco europeu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Pão mais caro está na Dinamarca. Carne mais barata vende-se na Roménia