Reforma

Parlamento debate reposição dos complementos de reforma

O plenário parlamentar vai debater amanhã propostas legislativas que têm como objetivo repor em 2016 os complementos de reforma

O plenário parlamentar vai debater na quarta-feira propostas legislativas do PS, PCP e Bloco de Esquerda que têm como objetivo repor em 2016 os complementos de reforma dos trabalhadores das empresas do setor empresarial do Estado.

O grupo parlamentar do Partido Comunista e o do Bloco de Esquerda (BE) apresentaram projetos de lei que defendem a reposição do pagamento de todos os complementos de pensões nas empresas do setor público, para entrarem em vigor com o Orçamento do Estado de 2016.

Os deputados do PS apresentaram, com o mesmo objetivo, um projeto de resolução em que é recomendado ao Governo que reponha os complementos de pensão nas empresas do setor empresarial do Estado (SEE).

O PS lembra no documento que esta reposição está prevista no programa do Governo e defende que ela deve ser integrada na proposta de Lei do Orçamento Geral do Estado para 2016.

As três propostas legislativas que vão ao plenário da Assembleia da Republica na quarta-feira criticam o Governo de coligação PSD/CDS por ter cortado, em 2014 e 2015, os complementos de pensões aos trabalhadores do SEE, que nalguns casos representou uma perda superior a 50%, nomeadamente para os pensionistas do Metropolitano de Lisboa e da Carris.

Os documentos salientam ainda que foram violados os princípios da proteção e da confiança, pois muitos dos afetados pelos cortes aceitaram a antecipação da reforma, com penalizações, porque tinham como contrapartida os complementos de reforma.

Ao longo dos últimos dois anos os trabalhadores e reformados do Metro e da Carris concretizaram sucessivas ações de protesto contra o corte dos seus complementos de reforma.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Parlamento debate reposição dos complementos de reforma