Saúde

Partidos pedem mais investimento para cuidados paliativos

(Gonçalo Villaverde / Global Imagens)
(Gonçalo Villaverde / Global Imagens)

Para o PSD é necessário garantir "o funcionamento de, pelo menos, 100 equipas comunitárias de suporte em cuidados paliativos, até 2020".

PSD, PCP, BE e PS defenderam esta quinta-feira um maior investimento nos cuidados paliativos e mais camas para os cuidados em fim de vida, com os sociais-democratas a pedirem “menos promessas e mais ação” nesta área.

O plenário da Assembleia da República discutiu hoje um projeto de resolução apresentado pelo PSD que recomenda ao Governo a criação de unidades de cuidados paliativos, “assegurando o funcionamento, até 2020, de, pelo menos, 1.000 camas”.

Para os sociais-democratas é necessário garantir “o funcionamento de, pelo menos, 100 equipas comunitárias de suporte em cuidados paliativos, até 2020”, e também que seja aprovado o estatuto do cuidador informal.

Na discussão do diploma, no plenário da Assembleia da República, o deputado social-democrata Ricardo Batista Leite assinalou que, “das mil camas de cuidados paliativos necessárias”, existem “menos de 400” em Portugal, apontando que são necessárias “menos promessas” e “mais ação”.

O deputado falou também em “graves problemas do ponto de vista dos recursos humanos” e referiu que este tema “não é uma prioridade” para o Governo socialista, assinalando que “se hoje há uma rede nacional de cuidados paliativos é graças ao Governo anterior”.

João Dias, do PCP, lembrou que, em outubro, foi aprovado um projeto de resolução da sua bancada para o reforço das medidas neste campo.

“É verdade que são necessárias mais camas e unidades de cuidados paliativos, é verdade que são precisas mais equipas comunitárias de suporte em cuidados paliativos, é verdade que há carência de equipas inter-hospitalares de suporte em cuidados paliativos, é verdade que necessitamos de maior regulamentação e formação”, disse.

Apontando que “já se poderia e deveria ter avançado mais”, o deputado comunista salientou que “este Governo, obcecado com a ditadura do défice, não o fez”.

Pelo BE, o deputado Moisés Ferreira sublinhou a necessidade de um maior “investimento em equipas, em profissionais e em camas públicas para reforçar as respostas”.

“Claro que tudo isto não se pode fazer, nem se fez no passado, com o desinvestimento que aconteceu no Serviço Nacional de Saúde”, considerou.

Defendendo que os cuidados em fim de vida “devem ser prioritariamente feitos em domicílio”, o bloquista lembrou que há um projeto de lei da sua bancada para que seja criado o estatuto do cuidador informal.

Moisés Ferreira apelou, por isso, aos partidos que possibilitem que a proposta venha a “ser aprovada o mais rapidamente possível”.

Isabel Galriça Neto, do CDS-PP, defendeu que “está nas mãos” da Assembleia da República fazer mais pela “dignidade das pessoas, para as ajudar a viver com mais qualidade”.

Na opinião dos centristas, “os recursos humanos que existem são insuficientes para assegurar a qualidade assistencial”.

“É possível anunciar uma cobertura em todos os distritos, não é possível é dizer que se veem 100 doentes com um médico e uma enfermeira”, notou a deputada Isabel Galriça Neto, apontando que “estes doentes não são doentes de segunda, não precisam de respostas de segunda”.

Já Isabel Moreira, do PS, afirmou que, “atualmente, à exceção do Hospital Distrital da Figueira da Foz, todos os hospitais e unidades locais se saúde do Serviço Nacional de Saúde têm equipa intra-hospitalar de suporte em cuidados paliativos, com consulta externa, e estão em funcionamento 21 equipas comunitárias ou domiciliárias de cuidados paliativos”.

A deputada referiu também que existem 28 unidades de internamento, que foram constituídas “quatro equipas de cuidados paliativos pediátricos” e que “todos os distritos de Portugal continental têm, pelos menos, um recurso específico” destes cuidados.

“Mas, há ainda muito a fazer para garantirmos a cobertura universal da população”, admitiu Isabel Moreira, pelo que até 2020 será dada “particular atenção e estímulo” à implementação de mais equipas comunitárias e domiciliárias e à referenciação das mesmas.

A socialista salientou também que “o estatuto do cuidador informal está a ser finalizado”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Partidos pedem mais investimento para cuidados paliativos