Banco de Portugal

Passos diz que Banco de Portugal confirma “modelo virtuoso” de recuperação de investimento

Primeiro-ministro Pedro Passos Coelho
Primeiro-ministro Pedro Passos Coelho

O primeiro-ministro defendeu que o Banco de Portugal mostrou hoje que houve uma mudança de paradigma económico, que segue um "modelo virtuoso" assente na recuperação de investimento e não no "modelo estafado" que levou à bancarrota.

No debate quinzenal no parlamento, em resposta ao líder parlamentar do CDS-PP, o chefe de Governo, Pedro Passos Coelho, referiu-se ao boletim do Banco de Portugal hoje divulgado, frisando que aponta para “uma retoma do investimento, pela primeira vez em quase cinco anos”.

“Além de, pela primeira vez nesse ciclo ter havido recuperação do investimento, a recuperação do consumo aparece associada à criação de emprego, razão porque não põe em causa o equilíbrio externo”, disse.

Segundo Passos Coelho, é assim que o Banco de Portugal evidencia que se está perante uma “mudança de paradigma em termos estruturais na economia portuguesa”.

“Conseguimos crescer – quer em 2014, é essa a projeção para 2015 e 2016 – sem desequilíbrio externo, sendo o consumo suportado pelo aumento do emprego, por um lado, e por outro lado, pelo novo investimento”, afirmou.

“E esse é talvez o elemento de pedra de toque mais importante para futuro, garantir que, mais do que soluções que podem parecer milagrosas, nós possamos dar aos portugueses a noção clara de que a nossa recuperação não segue um modelo estafado que nos conduziu à bancarrota, segue num modelo virtuoso assente na criação de mais emprego e sobretudo na recuperação do investimento”, declarou.

Passos Coelho sublinhou que “a procura externa continuou, apesar da conjuntura externa desfavorável, a aumentar relativamente a Portugal e isso permitiu que 2014 tivesse sido o melhor ano que Portugal registou em matéria de exportações”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

Christine Lagarde, presidente do BCE. Fotografia: REUTERS/Johanna Geron

Lagarde corta crescimento da zona euro para apenas 1,1% em 2020

Outros conteúdos GMG
Passos diz que Banco de Portugal confirma “modelo virtuoso” de recuperação de investimento