aquihaeconomia

Paul de Grauwe: “Os portugueses é que estão a pagar aos alemães”

Paul de Grauwe
Paul de Grauwe

Paul de Grauwe tem uma visão diferente da crise da zona euro. São
os contribuintes portugueses que estão a dar dinheiro aos alemães e
não o contrário. Professor de Economia Internacional da
Universidade Católica de Lovaina e conselheiro da Comissão
Europeia, admite que Portugal nunca beneficiou realmente com o euro,
mas desaconselha uma saída. Para o BCE não tem meias-palavras: ou
são incompetentes ou estão a ser guiados por objectivos obscuros.

Em um ano, a zona euro estará mais integrada ou perto da
separação?

É difícil saber. Estamos perante uma bifurcação. Podem
acontecer duas coisas: uma implosão completa, com recessão e crises
bancárias, ou os Estados membros e o BCE decidem fazer o mais
correcto e evitam o colapso. Sou optimista; acredito no segundo
cenário, mas não excluo o outro.

Mas o fim do euro é plausível?

A zona euro continua frágil e pode desintegrar-se, mas temos os
meios para o evitar. Tudo depende do empenho de quem está no poder.
Se colapsar é porque as pessoas em posições-chave o quiseram.

Algum país beneficiaria com isso?

Não. No longo prazo, talvez. Países como a Grécia poderiam
desvalorizar a moeda, o que estimularia a economia. Mas seria muito
disruptivo, principalmente para a banca. No curto e médio prazo,
ninguém beneficiaria.

Nem a Alemanha?

Países como a Alemanha seriam os verdadeiros prejudicados. Essas
economias beneficiaram antes da crise, com a acumulação de
excedentes externos e forte crescimento. Durante a crise têm sido os
que mais ganham. Estão a endividar-se quase de graça. A Alemanha
pede emprestado de graça e depois empresta-vos, com um bom lucro,
não é? Na Alemanha ouve-se que os contribuintes pagam aos
portugueses, mas é o contrário. Os portugueses é que pagam aos
alemães. Se tudo colapsar, perderão imenso.

Portugal continua a beneficiar por estar na zona euro?

Não sei se alguma vez beneficiou verdadeiramente. No futuro,
Portugal poderá viver com a sua própria moeda, mas vai ser difícil
passar desta situação para uma divisa própria. O problema é a
transição. Será muito traumático e imprevisível. Não sei se
seria boa ideia fazê-lo agora.

É inevitável reestruturar a dívida?

Não acho que seja inevitável como na Grécia. Portugal é um
país honesto, apesar de ter muitos problemas. Depende das
perspectivas de crescimento. Se houver crescimento, não é preciso
reestruturar. Por agora, não teriam vantagem em negociar a dívida.

Temos um programa de austeridade muito exigente. É o caminho
certo?

É demasiado intenso e duro. Se Portugal o fizesse sozinho talvez
resultasse, mas com a Espanha, Itália e França a fazê-lo é muito
difícil e não resulta. Além disso, a queda do PIB faz aumentar o
rácio de dívida, o que torna os mercados mais nervosos e leva a uma
maior pressão deflacionária.

Passos disse que os portugueses têm de empobrecer. Concorda?

É totalmente errado. Os portugueses têm de gastar e aumentar a
produção. Reduzir o consumo sem aumentar a produção é
empobrecer. A pobreza depende da capacidade produtiva.

Que alternativas deveriam ser seguidas pela Europa?

Bruxelas devia anunciar a extensão dos programas de emergência
devido à recessão. Países como a Alemanha e a Holanda deviam
interromper a austeridade e estimular o consumo privado, para que os
países do Sul consigam sair da crise. Falta vontade ao Norte da
Europa para aumentar a despesa. Os países com défices têm de ser
ajudados pelos que têm excedentes.

As eurobonds são algum tipo de alternativa ou um pormenor?

Não são uma alternativa nem vão resolver a crise. Contudo, no
longo prazo, é importante que sejam criadas para assinalar aos
mercados o comprometimento com um projecto. Todos entendem que tem de
haver união orçamental e as eurobonds são o primeiro passo nesse
sentido.

O Banco Central Europeu (BCE) tem de ter um papel diferente?

Sim. Deve ser um credor de último recurso no mercado de
obrigações. O BCE está a dar centenas de milhões de euros aos
bancos sem preocupações de “risco moral” e não o faz com
obrigações soberanas devido a esse mesmo risco. Se não se resolver
a crise da dívida, dar liquidez aos bancos é tentar encher um balde
furado. Atacar o problema na fonte seria muito mais eficaz.
Infelizmente, o BCE não pensa assim, o que é inexplicável. Estão
a ser guiados por questões dogmáticas, em vez de práticas. Só
resolvendo a crise se salvam os bancos.

A preocupação do BCE com a inflação está a ir longe de mais?

Que fazem os bancos com a liquidez do BCE? A última coisa que
querem é aumentar o crédito; estão a acumular reservas porque têm
medo. Não há risco de inflação porque a liquidez fica nos bancos:
é pressão zero. É a incompetência completa. Não sabem o que se
passa – ou têm objectivos obscuros.

Mario Draghi pode trazer uma perspectiva diferente ?

Ele é uma esfinge: fala, mas não sei o que ele pensa. São
puzzles. Sei é que está cheio de medo dos alemães.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Robin Wright, fotografada por Peter Lindbergh. Fotografia: D.R.

Pirelli. O calendário volta a surpreender

Apple em trabalhos com Bruxelas.  REUTERS/Chance Chan/File Photo    GLOBAL BUSINESS WEEK AHEAD PACKAGE - SEARCH "BUSINESS WEEK AHEAD JULY 25" FOR ALL IMAGES

Decisão sobre Apple pode afetar parceria UE-EUA, ameaça Departamento do Tesouro

francesinha IKEA

IKEA. E os suecos renderam-se à francesinha

Apple instalou-se na Irlanda em outubro de 1980. Fotografia: REUTERS/Clodagh Kilcoyne

Irlanda recusa os 13 mil milhões da Apple. Entenda porquê

Os 22 melhores hotéis portugueses por menos de 120 euros

22 hotéis portugueses que tem mesmo de visitar

fotografia: REUTERS/Thomas Peter

Como aumentar qualidade e eficiência num só passo

Conteúdo Patrocinado
Paul de Grauwe: “Os portugueses é que estão a pagar aos alemães”