Paul de Grauwe: Portugal não deverá escapar a reestruturar dívida

ng3114700

O economista Paul de Grauwe considera que Portugal não deverá conseguir fugir a uma reestruturação da dívida e que não é masoquismo os portugueses discutirem este tema, mas continuarem a punir-se a si mesmos com mais austeridade.

“Portugal tem tanta austeridade que a dívida se tornou insustentável, algo tem de ser feito. Não acho que consiga sair do problema hoje sem uma reestruturação da dívida”, disse em entrevista à Lusa o economista belga e professor na London School of Economics, que considerou que o Presidente da República, Cavaco Silva, está a “fechar os olhos à realidade” quando considerou que é “masoquismo” dizer que a dívida portuguesa não é sustentável.

“Claro que se deve falar disso. Estão a transferir receitas para os estrangeiros, que sentido faz isso?”, questionou o economista, para quem é “quase masoquista” os portugueses “punirem-se a si mesmos”. Na sua opinião, “é difícil entender como pode o Governo magoar a população e sentir-se orgulhoso disso”.

Em Lisboa para participar na conferência que assinala os 25 anos do INDEG, a escola de negócios do ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa, o economista lembrou que há uns anos Portugal era um país solvente. No entanto, as políticas de austeridade levaram à recessão económica e aumentaram de tal forma o endividamento que agora corre o risco de não conseguir pagar a sua dívida.

“Um novo programa de austeridade vai empurrar Portugal para a insolvência”, antecipou, considerando-a “inevitável” quando o país “foi posto numa austeridade tão intensa que se tornou contraprodutiva” para a economia.

“Dizem aos portugueses que têm de fazer mais sacrifícios. Para quê? Para pagar a dívida aos países ricos do Norte [da Europa]. Isto será explosivo, os portugueses não vão aceitar isso indefinidamente”, antecipou.

Paul de Grauwe defende que numa eventual reestruturação da dívida sejam envolvidos não só os credores privados, mas também oficiais, caso do Banco Central Europeu (BCE).

A dívida pública de Portugal chegou aos 131,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no final de junho, segundo o Banco de Portugal. O Governo previa que, este ano, a dívida das administrações públicas atingisse 122,3% do PIB, mas entretanto reviu em alta esse valor para 127,8%.

Em junho de 2011, pouco depois de Portugal ter recorrido à ajuda externa, a dívida era de 106,9% do PIB, ainda assim bem acima dos 71,7% do final de 2008.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Miguel A. Lopes/Lusa

Eduardo Cabrita será o novo ministro da Administração Interna

costa

Costa: “se quer ouvir-me pedir desculpas, eu peço desculpas”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. (Fotografia: RODRIGO ANTUNES/LUSA)

Marcelo pede ao Parlamento que clarifique se quer manter Governo em funções

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Paul de Grauwe: Portugal não deverá escapar a reestruturar dívida