Comércio

Paulo Portas. “Mundo das tecnológicas é um campeonato EUA e China”

Carcavelos, 10/10/2019 - Realizou-se esta manhã a Conferência (Des) Codificar o Futuro da empresa GS1 na Nova SBE em Carcavelos.
Paulo Portas
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )
Carcavelos, 10/10/2019 - Realizou-se esta manhã a Conferência (Des) Codificar o Futuro da empresa GS1 na Nova SBE em Carcavelos. Paulo Portas ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros falava no Congresso da GS1, na Nova SBE, em Carcavelos

“O mundo das empresas de tecnologia é um campeonato entre os EUA e China. Não há nenhuma companhia europeia”, alertou Paulo Portas, vice-presidente da CCIP , durante o Congresso da GS1, a decorrer esta quinta-feira na Nova SBE, em Carcavelos.

“Estamos (a Europa) fora deste campeonato”, com a primeira companhia europeia, a Spotify, a surgir na 20ª posição, alertou o ex-ministro do Governo de coligação liderado por Pedro Passos Coelho, questionando porque o “capitalismo europeu” se mostra incapaz de criar empresas tecnológicas com esta dimensão global.

“Se a China foi o país que melhor surfou a globalização, foi o país que mais surpreendeu o mundo na economia digital”, defende. “A China prepara-se para nos próximos dois, três anos, para ser o país como maior número de registos de patente a nível mundial”, acrescenta, lembrando que a companhia que mais investe no mundo em R&D é a chinesa Huawei. “A Mitsubishi é a segunda e tem cerca de metade”.

Realizou-se esta manhã a Conferência (Des) Codificar o Futuro da empresa GS1 na Nova SBE em Carcavelos. ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Realizou-se esta manhã a Conferência (Des)Codificar o Futuro da GS1, na Nova SBE em Carcavelos. (Foto: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)

E a Europa a ficar para trás nesta corrida. Em 2016, lembra Paulo Portas, foi ultrapassada pela China ao nível de investimento em R&D. “Estamos em quarto lugar depois do Japão, EUA e China”, diz. “Como foi possível termos dormido na forma?”, questiona.

O antigo ministro dos Negócios estrangeiros traçou um cenário pouco otimista para a economia europeia “prestes a aterrar na estagnação”, segundo todas as estimativas, e no meio de uma guerra comercial (à qual está mais exposta) entre os EUA e China.

A mais recente foi feita pela nova responsável do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva que esta semana fez uma revisão em baixa das previsões. “Entrou a pés juntos e com uma linguagem clara”, com um outlook tendencialmente negativo, a refletir o arrefecimento da economia mundial.

“A economia europeia está muito pior do que a americana. Lamento, mas as coisas são o que são”, disse o ex-ministro. “A economia americana está a crescer na ordem dos 2%, a europeia até 1%, o que é um crescimento medíocre, e se não fosse o crescimento dos países do Leste nem seria um crescimento”.

E uma crise que pode ter impacto na economia nacional. Mercados como Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Espanha ou estagnaram ou tiveram crescimento negativo no segundo trimestre, lembra Portas. “No Top 5 dos principais clientes nada está praticamente bem, vivem uma situação crítica”, alerta.

Presidente da Direcção, GS1 Portugal ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Presidente da Direcção da GS1 Portugal, Paulo Gomes (Foto: Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Centeno, ministro das Finanças e presidente do Eurogrupo. Fotografia: EPA/STEPHANIE LECOCQ

Peso da despesa com funcionários volta a cair para mínimos em 2020

26/10/2019 ( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Conselho de Ministros aprovou Orçamento do Estado

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida do peso da dívida

Outros conteúdos GMG
Paulo Portas. “Mundo das tecnológicas é um campeonato EUA e China”