PCP: Corte nas pensões de sobrevivência é “brutal ataque aos reformados”

Pedro Mota Soares
Pedro Mota Soares

O PCP defendeu hoje que o corte nas
pensões de sobrevivência é um “brutal ataque aos reformados”,
considerando inaceitável a “cruzada contra os direitos de
proteção social”.

Pensões de sobrevivência vão depender dos rendimentos

O ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social, Pedro
Mota Soares, confirmou hoje, numa curta declaração à agência
Lusa, o corte, em 2014, nas pensões de sobrevivência, quando
acumuladas com uma segunda reforma, sem esclarecer qual o patamar
mínimo a partir do qual será feito esse corte, remetendo a sua
clarificação para o Orçamento do Estado, que terá de ser entregue
no parlamento até 15 de outubro.

A medida vai permitir ao Estado uma poupança de 100 milhões de
euros, abranger beneficiários de pensões de sobrevivência na Caixa
Geral de Aposentações e no regime geral da Segurança Social e
proteger os pensionistas com rendimentos mais baixos, adiantou o
ministro.

Numa reação, Fernanda Mateus, membro da Comissão Política do
PCP, disse à Lusa que o corte nas prestações atribuídas a viúvas
e viúvos é um “brutal ataque aos reformados”,
considerando que “é inaceitável” a “cruzada contra
os direitos de proteção social”.

“A pensão de sobrevivência não é uma dádiva do Estado,
mas decorre dos descontos dos trabalhadores, ao longo de uma vida,
para a Segurança Social”, assinalou.

Para o PCP, o corte nas pensões de sobrevivência é mais uma das
medidas “que visam atirar a grande maioria dos reformados e
pensionistas para uma situação de empobrecimento”, pelo que
voltou a exigir a demissão do Governo e a convocação de eleições
antecipadas.

O Estado gasta anualmente 2.700 milhões de euros em pensões de
sobrevivência, prestações atribuídas a viúvas e viúvos para
compensar a perda de rendimentos de trabalho resultante da morte do
cônjuge.

O corte nas pensões de sobrevivência foi noticiado pela rádio
TSF.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
epa05492274 A handout picture provided by Intel Corp. on 17 August 2016 shows Intel CEO Brian Krzanich (L) and Technical Marketing Engineer Craig Raymond (R) demonstrating the Project Alloy virtual reality headset during a presentation at the Intel Developer Forum in San Francisco, California, USA, 16 August 2016.  EPA/INTEL CORPORATION/HANDOUT  HANDOUT EDITORIAL USE ONLY/NO SALES

Project Alloy. Não é realidade virtual, é realidade misturada

Fisco alarga controlo da dados para apanhar rendas paralelas

Proprietários pedem “subsídio de renda” para inquilinos

Rui Freire conta com experiência na Microsoft, grupo Havas e Global Media Group. Fotografia: DR

Rui Freire passa da Microsoft para o grupo Omnicom

Fotografia:   REUTERS/Mike Segar

Amazon avança com redução de horário e corte salarial

Fotografia: REUTERS/ Lucy Nicholson

Estes são os atores mais bem pagos do mundo, segundo a Forbes

Emprego em ciência e tecnologia. Fotografia: D.R.

Novo regime de incentivo ao emprego científico entra em vigor quinta-feira

Conteúdo Patrocinado
PCP: Corte nas pensões de sobrevivência é “brutal ataque aos reformados”