Coronavírus

PCP requer apreciação parlamentar do decreto dos apoios a sócios-gerentes

Fotografia de arquivo do Parlamento português. MIGUEL A. LOPES/LUSA
Fotografia de arquivo do Parlamento português. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Comunistas querem alterar limite de faturação de 80 mil euros para acesso à medida, que consideram injusto.

O PCP vai requerer a apreciação parlamentar do decreto que alarga as medidas excecionais de proteção social na pandemia de covid-19 aos sócios-gerentes, exigindo o fim de um limite de faturação de 80 mil euros como condição de acesso.

“Trata-se de uma limitação, em função de uma faturação até ao limite máximo de 80 mil euros, que é a todos os títulos um absurdo”, lê-se no texto da apreciação parlamentar entregue pelo grupo parlamentar do PCP na Assembleia da República.

Os comunistas defendem que “não é aceitável que se imponha um critério de exclusão, sem qualquer fundamento, que vem fechar a porta deste apoio a milhares e milhares de pequenas empresas e até microempresas, por um nível de faturação que nenhuma relação direta pode ter com níveis de rentabilidade económica: uma pequena tabacaria pode ter facilmente faturação muito superior, sem que tal facto nada tenha a ver com lucros”.

Em causa está o decreto-lei aprovado a 7 de maio no parlamento relativo às medidas de proteção social no âmbito da pandemia que estendem os apoios aos sócios-gerentes de micro e pequenas empresas.

PSD, BE e PAN entregaram na sexta-feira uma alteração aos projetos aprovados na generalidade e que alargam os apoios previstos.

Os projetos do PSD, PEV e PAN foram aprovados, na generalidade, em 7 de maio, apesar dos votos contra do PS que, logo nesse dia, considerou que estes diplomas violam a chamada “lei travão”, que veda aos deputados a apresentação de iniciativas que desequilibrem o Orçamento do Estado em vigor.

O BE pediu a descida à comissão sem votação do seu projeto de lei.

O PCP recorda que já tinha apresentado uma proposta para alargar estes apoios aos sócios-gerentes a 3 de abril, rejeitada por PS e PSD, que votaram contra, tendo ainda contado com a abstenção do Chega e do CDS.

“Importa sublinhar: esta proposta do PCP, se tivesse sido aprovada oportunamente, significaria que já hoje estes sócios-gerentes estariam a receber um apoio que tanta falta tem feito”, defende o PCP, acrescentando que o governo viria depois a reconhecer que a legislação aprovada pretendia responder a “lacunas identificadas”.

O PCP defende que responder a essas lacunas não pode contemplar um limite de faturação de 80 mil euros, justificando a apreciação parlamentar com a necessidade de corrigir “tal injustiça no seu articulado”.

Portugal contabiliza 1.302 mortos associados à covid-19 em 30.471 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Portugal entrou no dia 3 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou novas medidas que entraram em vigor na segunda-feira, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Governo cria complemento salarial até 350 euros para trabalhadores em lay-off

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa, 04 junho 2020, realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Banco de Fomento para Portugal com “aprovação provisória”

O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda,  em Lisboa, 29 de maio de 2020. O Governo decidiu adiar a passagem para a terceira fase de desconfinamento na Área Metropolitana de Lisboa e criou regras especiais, sobretudo em atividades que envolvem “grande aglomerações de pessoas”.  MANUEL DE ALMEIDA/POOL/LUSA

Trabalhadores em lay-off passam a receber entre 77% e 92% do salário

PCP requer apreciação parlamentar do decreto dos apoios a sócios-gerentes