Pensões: conheça todos os cortes

Pensão é a mais baixa de sempre
Pensão é a mais baixa de sempre

O Orçamento do Estado para 2012 terá várias medidas que afectarão em concreto os pensionistas. A última acabou de ser anunciada pelo primeiro-ministro: a eliminação do subsídio de férias e de Natal para 2012 e 2013. A mesma medida que será aplicada à Função Pública.

Conheça as medidas que serão aplicadas aos pensionistas para o ano:

Pensões acima de 1.000 euros

Ficarão sem o subsídio de Natal e de Férias em 2012 e 2013. Ou seja, na prática estes reformados ficam sem quatro pensões.

Pensões entre 485 e 1.000 euros

Estes pensionistas perderão uma das pensões durante os dois anos.

Aumentos

No próximo ano, as pensões não vão ser actualizadas – apenas as mínimas aumentarão por pressão do CDS-PP.

IRS

Em 2012 será feita uma convergência da dedução específica com os rendimentos de trabalho dependente que acabará por se traduzir numa subida do IRS.

Contribuição extraordinária

Vai manter-se a contribuição extraordinária de 10% sobre o valor das pensões que acresce aos 5000 euros, mas o Governo deixou cair a intenção de fazer incidir uma taxa de 5% sobre as reformas acima de 1500 euros mensais, que se traduziria numa redução média de 5% no valor das pensões (observando a mesma progressão que foi feita para o corte salarial).

ADSE

Pensionistas que ganhem mais de 485 euros vão passar a descontar 1,5% do salário para a ADSE. A medida afectará 75 mil reformados.

Imposto de Natal (2011)

17% dos pensionistas pagarão este ano o chamado imposto de Natal que incidirá sobre metade do montante de subsídio de Natal que fique acima dos 485 euros.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Pensões: conheça todos os cortes