pensões

Pensões: numa semana foram feitas quase 450 mil simulações

Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Foto:
Natacha Cardoso / Global Imagens
Ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Foto: Natacha Cardoso / Global Imagens

O simulador ficou disponível no dia 9 de maio e desde então foram feitas quase 450 mil simulações de pensões.

Na primeira semana de funcionamento o simulador que a Segurança Social disponibilizou para ajudar os beneficiários a perceber qual vai ser o valor da sua pensão já foi usado para fazer 448 808 simulações.

Os dados facultados ao Dinheiro Vivo pelo Ministério do trabalho e da Segurança Social mostram que a esmagadora maioria destas simulações (370 816) usaram a versão automática, ou seja, a que apresenta os resultados com base nos anos de carreira contributiva do trabalhador e que, além do valor, indica também quantos anos lhe faltam para entrar na reforma sem penalizações.

A ferramenta permite ainda fazer simulações à medida – em que alguns dos parâmetros predefinidos, como a evolução da inflação e atualização anual das remunerações, podem ser alterados – mas esta opção tem sido menos utilizada, havendo registo de 77 992 destas simulações na primeira semana em que o simulador esteve disponível.

Para se conseguir usar o simulador é necessário estar registado na segurança social direta e ter uma palavra-passe de acesso (que é enviada para casa dos beneficiários, a pedido). Esta condição explica que, nestes últimos sete dias, a Segurança Social tenha observado 45 276 novas adesões (ou pedidos de segunda via) à segurança social direta.

Na apresentação deste simulador, o ministro Vieira da silva anunciou que até ao final do ano será criada e disponibilizada uma ferramenta idêntica para os funcionários públicos que descontam para a Caixa geral de Aposentações.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Pensões: numa semana foram feitas quase 450 mil simulações