Pequeno comércio, cabeleireiros e creches. O que o Governo quer reabrir em maio

Para já ainda são intenções, mas o primeiro-ministro pretende em maio começar a abrir algumas atividades a começar pelas lojas mais pequenas.

Pequeno comércio de bairro, barbeiros, cabeleireiros, serviços públicos e creches. Deverão ser estes os estabelecimentos a primeiro reabrirem depois das restrições impostas pelo Governo para conter a propagação da pandemia de covid-19.

"Temos de definir as prioridades de qual deve ser o ritmo de ir aliviando a compressão social que temos", afirmou o primeiro-ministro no encerramento do debate de renovação do estado de emergência por mais 15 dias.

"Já dissemos, e creio que é partilhado por todos, que durante o mês de meio possamos voltar a ter aulas presenciais no 11º e 12º anos. Mas temos também o dever de procurar ter a ambição de durante o mês de maio poder reabrir as creches", acrescentou o chefe de Governo justificando com a necessidade de "apoiar as famílias, para evitar que muitas tenham perda de rendimento ou que muitas famílias tenham um esforço acrescido quando se mantêm em casa em regime de teletrabalho", frisou.

O chefe do Governo afirmou ainda ter esperança de, pelo menos, "no período da praia/campo as crianças do pré-escolar pudessem voltar a conviver porque é muito importante para a sua formação possam conviver com outras e não estar confinadas ao seu espaço familiar".

O primeiro-ministro adiantou que o Governo vai olhar para as atividades que encerraram por imposição do Estado. "Desde logo o comércio, mas também a restauração. Temos que ser prudentes e graduais. Temos que começar pelo pequeno comércio de bairro aquele que junta menos gente que exige menos tempo de deslocação, o que melhor serve a economia local e aquele que melhor responde às necessidades imediatas dos cidadãos", indicou.

"Depois podemos avançar também para as lojas abertas para a rua e depois havemos de chegar também às grandes superfícies. Esse é o grande desafio, os cuidados pessoais, designadamente os barbeiros e cabeleireiros", sendo que neste caso, António Costa especificou"normas de segurança para os profissionais e também para utentes".

Nos serviços públicos, o primeiro-ministro pretende reabrir o atendimento presencial para dar o exemplo. "Durante o mês de maio temos que começar a restabelecer o atendimento presencial nos serviços da administração pública e também e por termos à suspensão de prazos procedimentais e processuais a administração pública tem de transmitir a confiança necessária aos cidadãos", afirmou.

António Costa também anunciou a intenção de permitir o quanto antes os espetáculos a "começar pela lotação fixa e com locais marcados, para permitir a sua reabertura com o distanciamento social necessário e que se exige para a proteção comunitária", indicou.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de