Pires de Lima: “Empresas alemãs, geralmente, não fazem greves”

Pires de Lima
Pires de Lima

O modelo alemão de compromisso social entre trabalhadores e patrões foi elogiado pelo ministro da Economia, que acredita que esta sinergia ajuda estas empresas a serem mais produtivas e competitivas.

“São empresas que apostam numa cultura de compromisso social, geralmente não fazem greves, e existe uma grande disponibilidade dos trabalhadores para cumprirem os objetivos que foram estabelecidos”, afirmou o ministro esta terça-feira à margem da conferência a “60 anos Câmara Luso-Alemã – 60 anos de conetividade”.

António Pires de Lima sublinha que respeita “sempre as manifestações democráticas” e falou da sua experiência como gestor. “Quando as administrações dão o exemplo, se preocupam com as pessoas, e as envolvem na gestão, é mais fácil chegar a acordos, é mais fácil ter trabalhadores motivados, produtivos. Há um papel insubstituível na liderança das empresas no sentido de favorecerem, pelo seu exemplo, um ambiente de paz social nas empresas.”

O ministro da Economia aplaudiu o trabalho que tem sido feito no sector privado, que está a ser o grande motor da recuperação económica. “Há que convir que no sector privado o ambiente nos últimos anos tem sido de grande responsabilidade e de grande apelo à produtividade e os resultados estão à vista. Portugal está a crescer, as exportações estão a crescer e o investimento está a regressar.”

A situação vivida laboral no Estado também foi abordada pelo governante. “Na administração pública há por vezes algumas greves. Eu percebo o
momento difícil que está a viver, onde são pedidos muitos sacrifícios e
temos de respeitar essas greves.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

(Artur Machado / Global Imagens)

Dinheiro Vivo mantém-se líder digital dos económicos

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”

Outros conteúdos GMG
Pires de Lima: “Empresas alemãs, geralmente, não fazem greves”