Investimento

“Plano Juncker” passa a abranger novos setores

REUTERS/Christian Hartmann
REUTERS/Christian Hartmann

O 'Plano Juncker', foi calargado a novos setores, nomeadamente, agricultura, floresta, aquacultura, pesca e à área social.

O Parlamento Europeu (PE), a Comissão Europeia e o Conselho da UE chegaram a acordo para que o Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE 2.0) abranja novos setores, como a floresta, a pesca e a agricultura, foi esta quinta-feira anunciado.

O acordo final para o FEIE 2.0, conhecido como ‘Plano Juncker’, foi conseguido após sete rondas negociais e foi alargado a novos setores, nomeadamente, agricultura, floresta, aquacultura, pesca e à área social.

O relator do PE para o FEIE 2.0, José Manuel Fernandes, disse, em comunicado, que Portugal, que agora tem um acesso mais facilitado ao novo fundo, “tem a obrigação de avançar com plataformas de investimento, por exemplo, para a regeneração urbana, investimentos na área do turismo, floresta, área social e ambiente”.

Desde a sua criação em 2015, o FEIE já contribuiu para mais de 225 mil milhões de euros em investimentos, beneficiando 425 mil Pequenas e Médias Empresas (PME) e criando 300 mil novos empregos na UE.

O ‘Plano Juncker’ pretende mobilizar 500 mil milhões de euros até 2020.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, governador do Banco de Portugal Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Guerra comercial generalizada rouba 2,5% à economia portuguesa até 2020

parlamento

CDS-PP: “A austeridade não acabou. Mudou-se para a bomba de gasolina”

exportacoes

BBVA: Economia portuguesa continua a desacelerar no 2.º trimestre

Outros conteúdos GMG
“Plano Juncker” passa a abranger novos setores