livros

Porque se deve dar dinheiro a toda a gente? Há uma explicação

"Utopia para Realistas", de Rutger Bregman, Bertrand Editora, 17,70€
"Utopia para Realistas", de Rutger Bregman, Bertrand Editora, 17,70€

Apresentado como um dos jovens pensadores mais “promissores” da atualidade, Rutger Bregman defende que precisamos de uma nova estrela que nos guie: a utopia

Dinheiro de graça, um rendimento básico universal. “E não apenas durante alguns anos, ou somente em países em desenvolvimento, ou apenas para os pobres; é exatamente o que diz na embalagem: dinheiro de graça para toda a gente”. É o que defende Rutger Bregman, apresentado como um dos jovens pensadores mais “promissores” da atualidade.

No livro Utopia para Realistas, o holandês, formado em História pela Universidade de Utrecht, avança com dados que demonstram os benefícios do rendimento básico universal para combater a pobreza: “Estudos de todo mundo confirmam: o dinheiro de graça resulta”.

O autor contesta a ideia dos “pobres preguiçosos” e adianta que “a própria persistência desta visão levou os cientistas a investigar a sua veracidade. Há poucos anos, a prestigiada revista de medicina Lancet sintetizou assim as suas descobertas: quando os pobres recebem dinheiro sem condições, tendem mesmo a trabalhar com mais afinco”.

A melhor opção não é nem dar o peixe nem ensinar a pescar. “De que serve enviar carrinhas cheias de indivíduos caucasianos com brutos salários quando podemos, simplesmente, dar os seus salários aos pobres?”, questiona Bregman.

A visão deste historiador está ancorada na ideia de utopia: “As utopias, à semelhança do humor e da sátira, abrem as janelas da mente”; “sem utopia, só resta a tecnocracia e a política dilui-se na gestão de problemas”; “o que separa hoje a esquerda da direita é um ou dois pontos percentuais no imposto sobre o rendimento”, escreve o autor.

Para Rutger Bregman, “é altura de regressarmos ao pensamento utópico. Precisamos de uma nova estrela que nos guie”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

mulher gravida

Não renovação de contratos com grávidas cresce 15%

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Porque se deve dar dinheiro a toda a gente? Há uma explicação