Autoestradas

Portagens renderam mais 13% no 1º trimestre

A Estradas de Portugal obteve nos três primeiros meses do ano um total de 76,3 milhões de euros de receitas com portagens.

Este valor representa um crescimento de 13,2% (8,9 milhões de euros) face a igual período do ano passado, quando foram registados 67,4 milhões de euros.

Em comunicado, a empresa liderada por António Ramalho atribui este aumento à “recuperação económica em Portugal”, “maior eficácia na cobrança, nomeadamente junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira” e “crescimento do número de utilizadores das autoestradas”.

A empresa realça que o período considerado não inclui a Páscoa, em que se verificou um crescimento de 19,3% do número de turistas a aderir ao sistema de pagamento de portagens Easy Toll.

As autoestradas subconcessionadas foram responsáveis pelo maior aumento das receitas em termos percentuais, mais 33,3%, “embora o valor global de 4,4 milhões de euros alcançado no conjunto das quatro subconcessões seja irrelevante”, frisa o documento.

Mas foi nas autoestradas concessionadas pelo Estado com cobrança eletrónica de portagem (ex-SCUT) que se verificou o maior aumento das receitas em termos de valor, atingindo no primeiro trimestre os 53,9 milhões de euros, mais 6,4 milhões de euros (13,5%) do que em igual período do ano passado.

A futura Infraestruturas de Portugal, designação que a empresa assumirá após a fusão com a Refer, prevista para breve, salienta ainda que “os dados de tráfego registados no ano passado revelam uma clara recuperação dos níveis de tráfego numa tendência de crescimento que é expectável se mantenha também ao longo de 2015, e que naturalmente se irá refletir igualmente nas receitas de portagem”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Utentes à saída de um cacilheiro da Transtejo/Soflusa proveniente de Lisboa, em Cacilhas, Almada. MÁRIO CRUZ/LUSA

Salário médio nas empresas em lay-off simplificado caiu 2%

TikTok

Microsoft estará interessada na compra da operação global do TikTok

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho (D), ladeada pelo secretário de Esatdo dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro (E), intervém durante a interpelação do Partido Comunista Português (PCP) ao Governo sobre a "Proteção, direitos e salários dos trabalhadores, no atual contexto económico e social", na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de junho de 2020. MÁRIO CRUZ/LUSA

Já abriu concurso para formação profissional de 600 mil com ou sem emprego

Portagens renderam mais 13% no 1º trimestre