Investimento

Porto. Potencial da cidade trouxe boom de imobiliárias

A Rua de Santa Catarina, no Porto. Igor Martins/Global Imagens
A Rua de Santa Catarina, no Porto. Igor Martins/Global Imagens

A procura desenfreada que o Porto está a registar desencadeou a abertura de escritórios e o reforço de equipas das imobiliárias

Tudo começou com as low-cost. Trouxeram as primeiras vagas de turistas para o Porto e esse movimento, que não parou, criou um círculo virtuoso. O comércio renasceu, a procura de imóveis para fins turísticos e habitação explodiu, a cidade revelou-se atrativa para as empresas internacionais instalarem escritórios. Uma dinâmica que as consultoras e agências imobiliárias não deixaram escapar. No espaço de um ano, o Porto assistiu a um boom do setor.

As redes internacionais Cushman & Wakefield, CBRE e Engels & Volkers estrearam-se na cidade, e a JLL reforçou a sua presença. Já as imobiliárias Luximo’s Christie’s, Predibisa, Pedro Ramos Pinto e Homelovers têm o negócio em franco crescimento, ao sabor da procura desenfreada a que têm assistido. E nada indica que vá parar. “Enquanto os aviões continuarem a aterrar no aeroporto do Porto não vejo nenhuma razão para que o interesse diminua”, sublinha João Nuno Magalhães, diretor-geral da Predibisa.

A Engels & Volkers foi a última a chegar. A imobiliária, que atua nos segmentos médio-alto e alto, realça que, no ano passado, fizeram-se mais 40% de negócios do que na média dos dez anos anteriores e o valor posicionou-se próximo dos 600 mil euros. O Porto tornou-se “um local-chave para quem quer investir e viver em Portugal” e foi essa dinâmica que levou à aposta da Engels & Volkers na cidade, justifica Gustavo Soares, diretor da empresa no Porto.

Já a Cushman & Wakefield está convicta de que “o Porto será um destino de capitais estrangeiros de investimento a longo prazo”, assumindo-se a consultora como “porta de entrada” desses capitais. Como frisa Filipe Lopes, responsável pela operação no Porto, “o mercado está com um dinamismo nunca antes visto, gerando excelentes oportunidades de investimento com retornos excelentes”. E avança, para exemplificar: “Acabamos de concluir uma compra de um terreno de grandes dimensões para uma multinacional se instalar a norte do Porto.”

Pedro Lencastre, diretor-geral da JLL em Portugal, adianta que os preços dos imóveis residenciais no centro da cidade registaram um crescimento médio de 31% no último trimestre de 2017, face ao homólogo de 2016, mas, ainda assim, “mantêm-se num patamar muito atrativo”, o que “torna a cidade um destino cada vez mais apelativo para residentes estrangeiros”. Na área dos escritórios, Pedro Lencastre prevê que a absorção “deverá mais do que duplicar o valor registado em 2017, que se fixou nos 30 mil metros quadrados, e seguirá em crescendo no próximo ano”.

O comércio está também ao rubro e a Avenida dos Aliados prepara-se para ser a “sala de visitas do Porto”, com hotéis de cinco estrelas e lojas de marcas internacionais de luxo, diz João Nuno Magalhães. Segundo Pedro Lencastre, a Rua de Santa Catarina mantém a sua posição de liderança no retalho de rua, com rendas da ordem dos 60 euros por metro quadrado por mês. Na Avenida dos Aliados, as rendas estão a 40 euros. Um valor que, daqui a um ano, deverá disparar, quando as principais obras terminarem e os hotéis abrirem portas.

Investidores portugueses
Muito se tem falado no investimento estrangeiro em imobiliário, mas as consultoras do setor dizem a uma só voz que esta primeira fase do boom no Porto tem sido impulsionada pelos “family offices”. Grupos familiares como Gaspar Ferreira, David Rosas ou António Oliveira e sociedades de investimento portuguesas, como a Habitat Vitae, têm investido em imóveis no centro da cidade para fins turísticos e residenciais. Como sublinha Filipe Lopes: “Temos assistido a muito apetite de investidores internacionais, mas quem está mais ativo nesta fase são os family officers.”

Gustavo Soares reconhece também que “o despertar deste negócio foi inicialmente dinamizado por investidores locais, sendo de esperar que evolua favoravelmente, tanto para clientes internacionais como nacionais”. João Nuno Magalhães recorda que muitos portugueses decidiram investir nos últimos anos em imobiliário devido aos problemas da banca e aos juros baixos praticados nos depósitos. Este dinamismo foi desencadeado por “investidores portugueses e mesmo por particulares, que viram os apartamentos como ativos com melhores retornos do que oferecia a banca”. Também foram chegando os fundos imobiliários estrangeiros, de que é exemplo a reabilitação em curso do quarteirão de D. João I, conta. “Na Baixa, já se vende em planta.”

Tranquilamente, os capitais estrangeiros estão a chegar e a todos os segmentos. A Luximo’s Christie’s, focada na venda de casas, fala de britânicos, irlandeses e franceses, mas também de clientes de mercados emergentes. A Homelovers reconhece que, no Porto, há uma grande procura de casas por estrangeiros, que já valem 30% do seu negócio na cidade. No comércio, a Predibisa aponta baterias para o quarteirão do Mercado do Bolhão que, logo que estejam terminadas as obras, será uma zona de excelência na cidade e apetecível para investimentos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka assegura 68% das vendas; Pingo Doce 24%

Jerónimo Martins vai impugnar coima de 24 milhões na Polónia

Parque Eólico

EDP Renováveis vende sete parques eólicos à Finerge em Espanha

Luís Máximo dos Santos é presidente do Fundo de Resolução.

Fundo de Resolução diz que comprador da GNB tinha a proposta “mais atrativa”

Porto. Potencial da cidade trouxe boom de imobiliárias