fundos comunitários

Portugal 2020. Reprogramação tem reforço de 2,4 mil milhões

António Costa, primeiro-ministro, apresenta hoje a reprogramação do Portugal 2020. Fotografia:  Fotografia: André Kosters/Lusa
António Costa, primeiro-ministro, apresenta hoje a reprogramação do Portugal 2020. Fotografia: Fotografia: André Kosters/Lusa

A reprogramação dos fundos comunitários para as empresas envolve um valor de 632 milhões de euros, num total alavancado de 5 mil milhões de euros

A reprogramação do Portugal 2020 tem um reforço de 2,4 mil milhões de euros em fundos da União Europeia, num total de investimento alavancado de 7,3 mil milhões de euros, segundo informação do Governo.

Estes números do reforço de fundos estruturais para qualificações, empresas e território serão apresentados hoje publicamente, em Lisboa, com a presença da comissária europeia para a Política Regional, Corina Cretu, do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques.

Segundo informação do executivo disponibilizada à agência Lusa, a reprogramação dos fundos comunitários para qualificações envolve 877 milhões de euros (num investimento alavancado superior a mil milhões de euros), enquanto para as empresas o valor é de 632 milhões de euros (num total alavancado de cinco mil milhões de euros).

Em relação ao território, no qual se inclui mobilidade urbana sustentável (285 milhões de euros) e investimento de proximidade (612 milhões de euros), a verba da reprogramação destinada é de 897 milhões de euros, sendo o investimento alavancado de 1,3 mil milhões de euros.

O Governo aprovou projetos para 70% do orçamento total disponível dos fundos estruturais.

No Portugal 2020 foram realizados oito mil milhões de euros de pagamentos, 31% da dotação global, e feitos investimentos de 10 mil milhões de euros, com um financiamento comunitário de 7,3 mil milhões de euros, numa taxa de execução de 28%.

“Com a reprogramação, otimizamos os recursos disponíveis e transferimo-los para as áreas prioritárias para o desenvolvimento do país”, garantiu o Governo, que notou que, em linha com as prioridades do Programa Nacional de Reformas, prossegue a “aposta nas qualificações dos portugueses”, nomeadamente através do ensino profissional e relançamento da formação de adultos através do Programa Qualifica.

A reprogramação inclui também investimento municipal em equipamentos coletivos como escolas, unidades de saúde ou projetos de reabilitação ou de mobilidade urbana, assim como apoios às empresas e à sua competitividade.

“Em diálogo com a banca, criámos instrumentos que permitirão alavancar os recursos de que dispomos. E reformulámos os sistemas de incentivos, para decidir de forma articulada os nossos apoios ao investimento das empresas”, segundo informação oficial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Arrendatários vão poder realizar obras e pedir o reembolso

TIAGO PETINGA/LUSA

EDP nega ter indicado Manuel Pinho para curso nos EUA

luzes, lâmpadas, iluminação

Fatura da eletricidade baixa em 2019 “para todos”, garante o ministro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Portugal 2020. Reprogramação tem reforço de 2,4 mil milhões