financiamento

Portugal avança com emissão sindicada de dívida a dez anos

O Tesouro vai emitir novas obrigações a dez anos, tendo mandatado um conjunto de bancos para assegurarem essa operação.

Um dia depois de ter divulgado o plano de financiamento do ano, o Tesouro mandatou o Barclays, Citigroup, Credit Agricole, Goldman Sachs e Novo Banco para assegurarem a emissão de uma nova linha de referência de obrigações com maturidade a dez anos, segundo a Bloomberg. Os novos títulos chegam a maturidade a 17 de outubro de 2028 e a operação deverá ficar fechada em breve, dependendo das condições de mercado.

Os analistas e os investidores já esperavam que Portugal arrancasse o ano com uma emissão de dívida sindicada para dar um início forte à execução do plano de financiamento e para aproveitar as baixas taxas de juro.

Nos anos anteriores, a segunda semana de janeiro já tinha sido aproveitada pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), liderado por Cristina Casalinho, para avançar com emissões sindicadas. Contrariamente aos leilões de dívida, este tipo de operação envolve valores maiores de financiamento e é assegurada pelos bancos contratados para montarem a operação. Em 2016 e 2017, nesse tipo de operação o Tesouro obteve entre três mil milhões e quatro mil milhões de euros neste tipo de operação. Num leilão normal, o Estado tende a encaixar cerca de mil milhões de euros de financiamento.

Os analistas contactados pelo Dinheiro Vivo já antecipavam que Portugal avançasse para uma operação deste tipo de forma a aproveitar as baixas taxas de juro. “É um bom momento para emitir porque as taxas a dez anos rondam os 1,8%, melhor do que a taxa da dívida italiana”, referia Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, antes de a emissão ter sido anunciada. Esta descida das taxas ocorreu após as subidas de rating para grau de investimento por parte da Standard & Poor’s e da Fitch, nos últimos meses de 2017. No início do ano passado, para fazer uma emissão sindicada a dez anos, o Tesouro teve de pagar um juro de 4,227%.

Além disso, o mercado espera que o Tesouro acelere no financiamento no início do ano de forma a evitar o aumento dos custos de financiamento decorrente do aproximar do fim do programa de compras do Banco Central Europeu (BCE). A equipa de research do BiG considerava no início desta semana que era “expectável que o IGCP avance para uma emissão sindicada com celeridade devido às condições de financiamento amplamente favoráveis”. Até porque, realça, os custos de financiamento deverão começar a subir de forma gradual neste ano no contexto da retirada das compras do BCE.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

Portugal avança com emissão sindicada de dívida a dez anos