Estudo EY

Portugal capta maior valor de investimento estrangeiro dos últimos 20 anos

As cinco maiores empresas industriais a norte do rio Mondego asseguram 0,15% do emprego nacional, 4% das exportações e contribuem com 1,7% para a riqueza de Portugal.
As cinco maiores empresas industriais a norte do rio Mondego asseguram 0,15% do emprego nacional, 4% das exportações e contribuem com 1,7% para a riqueza de Portugal.

Portugal captou o maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos, segundo o Inquérito à Atratividade de Portugal 2017 da EY

Portugal conseguiu captar o maior valor de investimento direto estrangeiro dos últimos 20 anos, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Inquérito à Atratividade de Portugal 2017, realizado pela EY.

No total, segundo o estudo, Portugal conseguiu captar em 2016 o número recorde de 59 investimentos, no entanto, devido à dimensão ou natureza dos mesmos, o número de postos de trabalho criados diminuiu de 3,5 mil para 2,5 mil, em comparação com 2015.

“A criação de emprego é claramente afetada por uma redução do número médio de empregos criados por projeto, sendo inferior quer à média pré-crise quer ao ano anterior”, sinalizam os autores do estudo.

A Alemanha e Espanha foram os principais investidores em Portugal em 2016, com 14 e 10 investimentos respetivamente, enquanto a França liderou a criação de emprego, com 900 novos postos de trabalho e foi o quarto em número de projetos, com 8 novos projetos de investimento.

Os EUA e o Japão estão também entre as principais fontes de investimento direto estrangeiro no país para o ano 2016, “o que ilustra o alcance geográfico e o potencial logístico do país”, acrescentam.

O investimento alemão, criando um total de 265 postos de trabalho, foi maioritariamente ligado a atividades de manufatura.

O estudo destaca ainda o grande otimismo de 62% dos investidores estrangeiros quanto ao futuro de Portugal e a vontade de 32% dos investidores de aumentarem o investimento no nosso país durante o próximo ano.

As áreas de I&D (Investigação e Desenvolvimento) e logística destacam-se como setores com maior número de intenções de investimento, enquanto a manufatura, o marketing e as vendas mantêm uma grande representatividade.

De acordo com o inquérito da EY, Portugal está assim “no radar dos investidores, registando intenções de investimento acima da média europeia e prevendo-se um aumento da atratividade do país”.

Entre os fatores considerados mais atrativos pelos investidores estrangeiros, o estudo aponta para a estabilidade do clima social, o potencial de aumento de produtividade e os custos laborais.

Do outro lado da balança, entre os fatores considerados menos atrativos pelos investidores destaque para a tributação às empresas, estabilidade e transparência do ambiente político, jurídico e regulamentar e a flexibilidade da legislação laboral.

A EY refere ainda que é dado um maior destaque aos setores de bens de consumo, imobiliário, construção e indústria de transportes e automóvel por parte dos investidores não estabelecidos em Portugal e que os setores das TIC (Tecnologias de Informação e Comunicação) e do turismo são vistos pelos investidores como motores de desenvolvimento do país.

A região de Lisboa é vista como a mais atrativa de Portugal mas o Porto aparece como o destino com maior número de novos investimentos e criação de postos de trabalho.

O EY Attractiveness Survey é um estudo promovido pela EY, a nível europeu, com o objetivo de avaliar a perceção dos investidores estrangeiros quanto à atratividade das diversas localizações.

Nesta edição, foram inquiridas empresas que já investiram ou que têm potencial para investimento futuro no território em análise e que se encontram espalhados por 20 países e em 5 línguas diferentes (Alemão, Inglês, Português, Espanhol e Francês).

Durante o mês de Abril de 2017, foram realizadas 203 entrevistas telefónicas a investidores internacionais, com a preocupação de dividir a amostra entre empresas que já estão presentes em Portugal e outras que ainda não têm operações neste país.

Segundo a EY, 62% das empresas inquiridas no estudo estão presentes em Portugal, num total de 126 entrevistados.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Portugal capta maior valor de investimento estrangeiro dos últimos 20 anos