Impostos

Portugal com 16.ª carga fiscal mais alta da OCDE

Foto: GERARDO SANTOS
Foto: GERARDO SANTOS

Situação fiscal dos trabalhadores melhora desde 2015, mas carga de impostos e contribuições está ainda acima de 2010

Portugal melhorou a posição no ranking de países da OCDE com maior carga fiscal sobre o trabalhador, mas está ainda entre aqueles onde a tributação do trabalho mais cresceu, e se manteve, no período após a crise de dívida europeia.
A carga fiscal média sobre o trabalhador solteiro português foi, no ano passado, de 27,5%, a 16.ª mais elevada das economias ocidentais, segundo dados da organização divulgados ontem. No ano anterior, o país estava no 15.º lugar, com uma carga fiscal de 27,75% para o mesmo tipo de contribuinte. A carga fiscal total sobre o trabalho (incluindo as contribuições dos empregadores para a Segurança Social) baixou para 41,4% (13.º lugar).
A carga fiscal média portuguesa mantém-se 2 pontos percentuais acima da média da OCDE. Ao mesmo tempo, preserva grande parte da margem adicional de tributação introduzida durante os anos de crise. Os trabalhadores portugueses entregaram no ano passado à administração fiscal impostos e contribuições 5,28 pontos percentuais acima dos montantes de 2010. Este aumento português compara com uma descida de 0,64 p.p. em Espanha, e com subidas de 2,73 p.p. na Grécia, de 0,68 p.p. na Alemanha, e de 1,34 p.p. em França, por exemplo.
Em Portugal, a tributação média dos trabalhadores está agora ao nível da de 2013, encontrando-se a descer desde 2015 (menos 0,93 pontos percentuais). Na OCDE, a média é de 25,5%. Além de Portugal, outros 12 países registaram descidas no ano passado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ex-presidente do BPN, José Oliveira Costa. Fotografia: Rodrigo Cabrita/Global Imagens

Finanças. Antigo BPN está a ajudar a reduzir défice deste ano

Vieira da Silva e Cláudia Joaquim
Fotografia: Leonardo Negr‹ão / Global Imagens

Governo admite eliminar factor de sustentabilidade noutros tipos de pensões

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Regras das pensões antecipadas que existem em 2018 vão manter-se

Outros conteúdos GMG
Portugal com 16.ª carga fiscal mais alta da OCDE