Eurostat

Portugal tem a segunda menor taxa de empregos disponíveis na zona euro

[foto de Global Imagens]
[foto de Global Imagens]

A taxa de empregos disponíveis na zona euro e na União Europeia (UE) subiu para os 1,9% no primeiro trimestre do ano

A taxa de empregos disponíveis na zona euro e na União Europeia (UE) subiu para os 1,9% no primeiro trimestre do ano, tendo Portugal a segunda mais baixa (0,9%), segundo divulgou hoje o Eurostat.

Na zona euro, a taxa de empregos disponíveis aumentou face aos 1,7% registados no período homólogo e também entre outubro e dezembro últimos.

No conjunto dos 28 Estados-membros, a taxa de empregos disponíveis ficou também, entre janeiro e março, acima dos 1,8% homólogos e do último trimestre de 2016.

As taxas de empregos disponíveis mais altas foram registadas, no primeiro trimestre, na República Checa (3,1%), na Bélgica (2,9%, no quarto trimestre de 2016), na Finlândia e na Suécia (2,7% cada) e na Alemanha (2,6%).

As menores taxas foram registadas na Espanha (0,8%), em Portugal (0,9%), na Bulgária, Irlanda, Grécia, Polónia e Eslováquia (1,0% cada).

Produção no setor da construção aumenta 3,2%

A produção no setor da construção aumentou 3,2% na zona euro e 2,7% na União Europeia (UE) em abril, face ao mês homólogo de 2016, segundo o Eurostat.

Já na comparação com março, a produção no setor da construção subiu 0,3% na zona euro e manteve-se na UE.

Em termos homólogos, as maiores subidas da produção no setor da construção foram registadas na Eslovénia (27,8%), na Hungria (22,0%) e na Suécia (19,8%) e as maiores quedas na Roménia (-18,4%), em Itália (-4,6%) e no Reino Unido (-3,4%).

Já face a março, o indicador teve os maiores aumentos na Suécia (3,8%), França (3,5%) e na República Checa (1,6%), e os principais recuos na Roménia (-7,7%), em Itália (-4,1%) e na Hungria (-2,6%).

Em Portugal, aumentou 0,2% em termos homólogos e manteve-se estável face a março.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Portugal tem a segunda menor taxa de empregos disponíveis na zona euro