Portugal emite até 2 mil milhões de dívida de longo prazo até fim do ano

Foto: DR
Foto: DR

Portugal pretende emitir até 2 mil milhões de euros de dívida de longo prazo até ao final do ano. A revelação foi feita hoje pelo IGCP no seu programa de financiamento para o quarto e último trimestre de 2015. Em títulos de dívida de curto prazo, o país poderá colocar até 3,75 mil milhões de euros.

No programa de financiamento para o quarto trimestre, o IGCP revela que “no próximo trimestre, prevê a realização de um a dois leilões de OT, sendo esperadas colocações de 750 a 1000 milhões de euros por leilão”.

A agência que gere a dívida pública liderada por Cristina Casalinho explica que estes leilões “terão a participação dos Operadores Especializados de Valores do Tesouro (OEVT) e Operadores de Mercado Primário (OMP)” e que “poderão ser realizados à 2ª ou 4ª quartas-feiras de cada mês após anúncio do montante indicativo e linhas de OT a reabrir até três dias úteis antes da respetiva data de leilão”.

Dívida de curto prazo

O IGCP pretende igualmente encaixar até 3,75 mil milhões de euros em títulos de dívida de curto prazo, através de três leilões.

A primeira operação está prevista já para o próximo dia 21 de outubro, altura em que a agência irá colocar dívida com prazo a 3 e a 11 meses, tendo como montante indicativo entre mil e 1,25 mil milhões de euros. O segundo leilão está agendado para 18 de novembro, dia em que o IGCP pretende emitir novamente até entre mil e 1,25 mil milhões de euros, mas desta vez com maturidade de 6 e 12 meses.

A terceira e última operação do ano está marcada para 16 de dezembro, altura em que agência volta a tentar captar novamente até entre mil e 1,25 mil milhões de euros em títulos de dívida com prazos a 3 e a 11 meses.

O IGCP acrescenta que “acompanhará ativamente a evolução das condições de mercado, podendo introduzir ajustamentos às presentes linhas de atuação”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Portugal emite até 2 mil milhões de dívida de longo prazo até fim do ano