Portugal fica preso no top 15 global do desemprego até 2019

Passos Coelho e Albuquerque
Passos Coelho e Albuquerque

Mesmo com retoma e reformas estruturais que elevam “a economia e a inovação para um nível superior”, como diz o primeiro-ministro, Portugal ficará no grupo dos 15 piores países do mundo em termos de desemprego nos próximos cinco anos, pelo menos. Arranca em 2013 no 12º lugar (com 16,2% da população ativa sem trabalho) num grupo de 103 economias e chega a 2019 na mesma posição, ainda com 12,9% de desemprego.

De acordo com a base de dados atualizada do Fundo Monetário Internacional (FMI) consultada pelo Dinheiro Vivo, os altos níveis de desemprego vão persistir, bem como as condições para o país se livrar dos pesados constrangimentos da dívida pública e privada.

Segundo o relatório da primavera de Perspetivas Económicas Globais (outlook), ontem publicado pelo FMI, economia portuguesa deverá crescer 1,2% este ano, em termos reais, contra os 0,8% que constavam na décima avaliação da troika. Relativamente a 2015, a instituição mantém 1,5%, mas daí em diante o país nunca ultrapassa o ritmo de 1,8%.

Outra análise comparativa mostra que Portugal também estagna no “ranking” da riqueza média por habitante. Este indicador, corrigido pelas paridades do poder de compra, mostra que no grupo das 185 economias analisadas pelo FMI, Portugal era a 46ª em 2013, sobe um lugar este ano, mas depois perde posições.

Até 2019, no indicador da riqueza por habitante, o país será dramaticamente ultrapassado por Timor-Leste e Gabão (duas economias ricas em petróleo) e pela Estónia e Lituânia, indica o FMI.

Violação do pacto orçamental

Em termos nominais, a expansão nominal da economia ficará sempre abaixo de 4%, nível referido pelo Presidente da República como o mais compatível com a redução do défice, em respeito pelas novas regras do pacto europeu.

Isso explica a razão pela qual Portugal, segundo diz o Fundo, irá violar o pacto (redução anual de 0,5% no défice estrutural) já a partir de 2016. O défice nominal (a medida clássica) vai continuar a descer, mas em 2019 a dívida pública continuará elevada (113,8% do PIB), muito acima dos 60% que são a meta de longo prazo do tratado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Ana Catarina Mendes, líder parlamentar do PS. Fotografia:  Pedro Rocha / Global Imagens

PS quer acabar com vistos gold em Lisboa e no Porto

O ministro das Finanças, Mario Centeno. Fotografia ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Finanças. Défice foi de 599 milhões de euros em 2019

João Paulo Correia, deputado do PS. MÁRIO CRUZ/LUSA

PS avança com aumento extra das pensões mas a partir de agosto

Portugal fica preso no top 15 global do desemprego até 2019