Investimento

“Portugal mais procurado” desde que saiu do lixo

Os investidores estão a procurar mais o país para investir, afirma Luís Castro Henriques, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), que acaba de apresentar a estratégia para a agência de investimento para 2017-19.

Portugal está a ser mais procurado desde que o país sai do lixo, ou seja, desde que a S&QP fez a revisão do rating da República. Quem o diz é Luís Castro Henriques, presidente da AICEP. “Sente-se mais procura por parte dos investidores, mas não tenho dúvidas de que vou sentir mais ainda em 2018″.

O presidente da AICEP apresentou hoje as novas linhas de orientação estratégica para o Investimento e Comércio Externo de Portugal. Afirma que passam por “continuar a aposta nas exportações de bens e serviços, e pelo reforço do IDE – Investimento Direto Estrangeiro”. Hoje, “o nosso mercado interno é o da União Europeia, porque só o nacional não é suficiente para a ambição que as nossas empresas têm”.

E adianta: “hoje estamos a caçar mais e melhor investimento, de forma mais certeira. E falo de projetos industriais, de serviços, de investimento produtivo, tangível”. E “os números demonstram que estamos num novo paradigma de nível de investimento, estamos com a taxa de conversão mais elevada de sempre, chegando a mais de 90 por cento”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

“Portugal mais procurado” desde que saiu do lixo