Portugal perdeu 68% dos voos em janeiro

A NAV Portugal registou apenas 21,6 mil voos, uma queda acentuada em relação a janeiro de 2020, quando ainda não havia efeitos da pandemia

O espaço aéreo controlado pela NAV Portugal registou em janeiro 21,6 mil voos, uma diminuição de 68,1%, em relação a igual mês do ano passado, apurou o Dinheiro Vivo junto de fonte oficial da empresa.

É o resultado dos cancelamentos de voos impostos pelas autoridades governativas no âmbito das medidas para conter a pandemia.

Janeiro registou ainda menos voos do que dezembro - mês em que a NAV tinha controlado 26 794 movimentos, menos 58,5% face a dezembro de 2019 -, mas próximo dos números de novembro, quando o tráfego aéreo ficou 65,2% abaixo dos valores de novembro de 2019, assinala a mesma fonte.

Os cancelamentos de voos em janeiro coincidiram com mudanças nas operações para o Reino Unido, quando os britânicos proibiram movimentos com origem em Portugal em meados do mês. Uma semana depois, foi o próprio Governo português a travar as ligações para aquele destino, devido à deteção de uma variante do vírus mais agressiva.

As companhias aéreas, aliás, já se tinham antecipado nessa proibição de voar para os aeroportos britânicos, como foi o caso da TAP e da Ryanair.

O próprio confinamento em que o país entrou desde meados de janeiro, bem como dificuldades levantadas por outros países aos voos com origem em Portugal terão contribuído para que uma quantidade significativa de aviões tivesse ficado em terra nesse mês.

No entanto, novas restrições à aviação entraram em vigor já só no final do janeiro, como aconteceu com o Brasil: a ocorrência de novas variantes do coronavírus também levaram Portugal a fechar as ligações ao país a partir do dia 29.

A 31 de janeiro, passaram a vigorar normas mais apertadas. Na altura, o Ministério da Administração Interna impôs maiores controlos nas fronteiras, incluindo por via aérea, de acordo com a incidência da covid-19 nos países de destino. A realização de testes e a prática de quarentenas passaram a fazer parte da lista das obrigações.

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de