E-Commerce

Portugal pouco adepto do online nas compras de supermercado

E-commerce concept image

Por cada mil euros gastos em artigos para o lar, só oito euros são comprados online

O consumidor português está, ainda, pouco desperto para a compra online dos bens de grande consumo. O e-commerce na Europa é dominado por países como o Reino Unido, com uma taxa de 7,5%, a França (5,6%) ou a República Checa (3,2%). Em Portugal, o comércio online dos produtos alimentares e de higiene está, ainda, numa fase de desenvolvimento, com uma taxa de, apenas, 0,9%. Basta ter em conta que, por cada mil euros que os portugueses gastam nas compras para o lar, só oito euros correspondem a aquisições online.

“Os números continuam a apresentar apenas uma relevância marginal, mas estamos convencidos que novos operadores poderão dar crescente atenção ao mercado online português, o que, juntamente com a reação que exigirá dos já presentes, poderá funcionar como o elemento agitador que provocará a respetiva dinamização, tal como vem acontecendo noutros países”, diz o diretor-geral da Centromarca, a Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca. Pedro Pimentel, que esta segunda-feira de manhã apresentou as conclusões da quinta edição do estudo ‘Marcas+Consumidores’, desenvolvido em parceria com a Kantar Worldpanel, lembra o exemplo da entrada da Amazon no mercado espanhol dos bens de grande consumo que “obrigou os operadores todos a reagir”, algo que, em Portugal, “mais tarde ou mais cedo irá acontecer”.

Por outro lado, as notícias mais recentes dão conta da vontade da Amazon em adquirir um player da distribuição – foram já avançados nomes de cadeias como o Carrefour Internacional ou o Leclerc – replicando na Europa aquilo que fez nos Estados Unidos, quando, em junho, adquiriu a Wholefoods e passou a operar no negócio do retalho físico.

“Na prática, o e-commerce nos bens de grande consumo em Portugal vive de um universo muito pequenino de clientes, estamos a falar de 80 a 100 mil utilizadores, que se mantêm fiéis, sem que o número cresça. Mas é natural que tudo isto se desenvolva com a chegada de alguém que agite o mercado”, diz Pedro Pimentel.

Os compradores online são, essencialmente, famílias, com filhos, e que moram em Lisboa. Pelo menos, 33% dos compradores de bens de grande consumo na internet vivem na região de Lisboa, sendo que, 72% deles têm até 49 anos. As famílias com crianças pequenos representam 31% destes compradores.

Em termos mundiais, a explosão do e-commerce depende muito da Ásia, destaca o estudo da Centromarca, na medida em que as vendas online valem, aí, 6% do valor do mercado de bens de grande consumo.

Em globais, o mercado de bens de grande consumo em Portugal está a crescer 0,6% em volume, comparativamente aos primeiros nove meses de 2016, mas a cair 2,8% em volume. Os portugueses estão a ir mais vezes ao supermercado (um crescimento de 3,2% nas visitas face a igual período do ano passado), mas, em compensação, estão a comprar menos de cada vez que lá vão: o volume por ato de compra cai 4,3%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Estado já concedeu quase 20 mil milhões à banca

Fotografia: REUTERS/Reinhard Krause

Fitch baixa previsões de crescimento mundial devido a guerra comercial

( Pedro Rocha / Global Imagens )

Défice atinge 1,9% até junho. Meta do governo é de 0,7%

Outros conteúdos GMG
Portugal pouco adepto do online nas compras de supermercado