Transporte Marítimo

Portugal quer ser “estação de serviço” para navios a gás natural

Fotografia: Margarida Ramos/ Global Imagens
Fotografia: Margarida Ramos/ Global Imagens

"Se queremos ter em Portugal todo o crescimento do setor dos cruzeiros, temos de ser capazes de abastecer esses navios", considera a ministra do Mar.

Portugal quer afirmar-se como uma “estação de serviço atlântica” a abastecer navios de grande porte a gás natural, afirmou hoje a ministra do Mar, uma das medidas que a indústria naval e portuária precisa para poluir menos.

À margem da abertura do encontro internacional Oceans Meeting, que junta em Lisboa centenas de especialistas em ambiente e em transporte naval, Ana Paula Vitorino afirmou que a maior parte das novas encomendas de navios de cruzeiro são alimentadas a gás natural liquefeito.

“Se queremos ter em Portugal todo o crescimento do setor dos cruzeiros, temos de ser capazes de abastecer esses navios. Ainda que o transporte marítimo seja já hoje o menos impactante do ponto de vista ambiental, ainda queremos que seja menos. Com o estado da arte hoje, [o gás natural liquefeito] é o melhor que conseguimos para combustível dos navios de mercadoria e cruzeiros”, afirmou.

Quanto aos portos, o seu papel na economia azul, reduzindo poluição e contribuindo para um uso melhor dos recursos marinhos, passará por promoverem de forma “robusta” centros de investigação ligados ao mar, com inovações e produtos que melhorem a sua forma de negócio e o ambiente.

O diretor-geral para o mar e Pescas da Comissão Europeia, João Aguiar Machado, indicou que a necessidade de reduzir emissões poluentes no tráfego marítimo é imperiosa, estimando-se que, a continuar no padrão atual, aumentarão “entre 50 a 200% até 2050”.

João Aguiar Machado frisou que na Europa, o mar dá emprego a 5,4 milhões de pessoas e gera anualmente 500.000 milhões de euros de valor acrescentado.

Uma das indústrias, a pesca, ajuda a produzir lixo em quantidades industriais, referiu, apontando que metade da mancha de plástico que polui o Oceano Pacífico é restos de redes de pesca, e que, de acordo com a legislação proposta na União Europeia, os armadores passarão a ter apoios para as reciclar devidamente.

O enviado das Nações Unidas para os oceanos Peter Thomson salientou que “para falar de alterações climáticas tem que se falar de alterações no oceano”, afirmando que setores como a construção naval e todo o tipo de “infraestruturas costeiras”, começando pelos portos, terão que se adaptar a realidades como a subida dos níveis das águas, que são “uma certeza absoluta”.

Thomson indicou que para qualquer jovem, a construção naval e as infraestruturas portuárias são hoje “oportunidades de carreira”.

Numas breves palavras de boas-vindas aos participantes na conferência, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou que os oceanos “unem mais do que separam” os vários povos, quer estratégica, quer política, quer economicamente.

“Esta é uma causa que, ou enfrentamos juntos, ou nunca será enfrentada com sucesso”, defendeu, considerando que o diálogo e a convergência entre os vários países terá de se impor a “egocentrismos e visões de curto prazo”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Portugal quer ser “estação de serviço” para navios a gás natural