frio

Portugal quinto país onde é mais difícil manter a casa quente

Populares caminham numa manhã de geada e o nevoeiro, em Mirandela, 08 de janeiro de 2019. Pedro Sarmento Costa/LUSA
Populares caminham numa manhã de geada e o nevoeiro, em Mirandela, 08 de janeiro de 2019. Pedro Sarmento Costa/LUSA

Dados revelam que um quinto da população portuguesa não tem capacidade para manter a casa quente de forma adequada.

Com a previsão de neve e frio para os próximos dias, mais de 20% dos portugueses terão dificuldades em manter a casa quente de forma adequada. De acordo com os dados divulgados hoje pelo Eurostat, Portugal é o quinto país da União Europeia em que mais pessoas têm dificuldade em manter a habitação confortável durante o inverno.

Os dados referentes a 2017 indicam que 20,4% dos inquiridos confessam não conseguir aquecer a casa, ou seja, cerca de 2 milhões de pessoas. Apesar de o valor ser elevado, representa uma evolução significativa na última década. Em 2007 quase 42% da população portuguesa dizia não ter capacidade de aquecer a casa de forma adequada.

Fonte: Eurostat

Fonte: Eurostat

Pior que Portugal estão a Bulgária (36,5%), a Lituânia (28,9%), a Grécia (25,7%) e o Chipre (22,9%). A média da União Europeia situa-se nos 7,8%.

Os países nórdicos são aqueles em que a população consegue ter um aquecimento adequado da habitação. No Luxemburgo, menos de 2% da população assume dificuldades em aquecer a casa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

LUÍS FORRA/LUSA

Dia 7. Patrões e motoristas divididos por 50 euros

Motoristas em greve junto à saída da sede da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), em Aveiras de Cima, durante a greve por tempo indeterminado dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, Azambuja, 16 de agosto de 2019. Portugal está, desde sábado e até às 23:59 de 21 de agosto, em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação, o que permitiu a constituição de uma Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), com 54 postos prioritários e 320 de acesso público. TIAGO PETINGA/LUSA

Greve dos motoristas: atenções voltadas para plenário de trabalhadores

Outros conteúdos GMG
Portugal quinto país onde é mais difícil manter a casa quente