Portugal só cria empregos nos salários inferiores a 310 euros

Pedro Mota Soares e Pedro Passos Coelho
Pedro Mota Soares e Pedro Passos Coelho

Portugal só conseguiu criar empregos mal remunerados, nos salários abaixo do nível de pobreza, abaixo dos 310 euros.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), a destruição de postos de trabalho por conta de outrem entre o segundo trimestre de 2012 e igual período deste ano foi de 4% (ou menos 146 mil empregos em termos líquidos).

Todos os escalões de rendimento contribuíram para a descida exceto o dos salários líquidos inferiores a 310 euros, o qual registou um aumento de 5,2% (mais oito mil casos).

A Madeira e a região Norte do País lideraram na expansão dos ordenados mais baixos, muito associados a tarefas e a trabalhos a tempo parcial. Na ilha, o número de empregados nessa situação engordou quase 23% relativamente ao segundo trimestre do ano passado; a norte subiu 14%.

Já a maior quebra homóloga a nível nacional aconteceu no grupo dos 1 800 a menos de 2 500 euros, com uma quebra de quase 26% nos respetivos empregos, mostra o inquérito do INE.

Tal como antecipado na edição de ontem – e apesar do aumento da importância dos baixos salários e dos vínculos temporários e sazonais que acompanham a chegada do verão – o mercado de trabalho deu alguns sinais de desanuviamento quando se compara com o primeiro trimestre.

“A taxa de desemprego estimada para o segundo trimestre de 2013 foi de 16,4%. Este valor é superior em 1,4 pontos percentuais ao do trimestre homólogo de 2012 e inferior em 1,3 pontos percentuais ao do trimestre anterior”, diz o INE na abertura do destaque sobre o estudo.

Assim, em termos trimestrais, a população desempregada deslizou 7% para 886 mil pessoas. O emprego também recuperou face aos primeiros três meses deste ano: foram criados 72,4 mil postos de trabalho (mais 1,6%), o maior aumento desde 1998, pelo menos.

Mas uma análise mais detalhada aos números do INE e às séries históricas mostra que a recuperação do mercado de trabalho no segundo trimestre é algo que acontece quase sempre. Chega o verão e a época turística por excelência e as empresas contratam mais, ainda que a prazo, oferecendo salários mais baixos. Os dados confirmam-no.

Terá sido por isso que o ministro da Economia, António Pires de Lima, e o ministro do Emprego, Pedro Mota Soares, pediram “cautela” e “prudência” nas leituras exageradas.

“É preciso cautela ao avaliar estes dados porque é preciso ainda expurgá-los do efeito da sazonalidade”, observou Pires de Lima, citado pela Lusa.

De facto, para além do esmagamento de salários, a destruição no emprego total continua a ser elevada – foi de 3,9% no segundo trimestres face a igual período de 2012, menos 183 mil empregos em apenas um ano. Esta tendência dura, de forma ininterrupta, há 20 trimestres, isto é, há precisamente cinco anos.

Ao passo que estas últimas medidas expurgam a sazonalidade, uma passagem pelas variação entre trimestres permitem perceber como o verão puxa pela atividade. Houve um aumento muito expressivo do trabalho a tempo parcial (part time), que avançou 3,7%, ao passo que os contratos a tempo inteiro somaram apenas 1,6%.

Outros sinais: a taxa de desemprego jovem (o grupo etário dos 15 aos 24 anosé o que mais acorre a empregos de verão) foi a que mais desceu no trimestre, tendo recuado cinco pontos percentuais. A taxa continua a ser das maiores da Europa: 37% do total jovens ativos ou 141 mil sem trabalho.

Os contratos a prazo também brilharam, representando 90% do aumento no número de trabalhadores por conta de outrem.O Algarve, região cuja economia se baseia essencialmente no turismo, foi onde o emprego mais subiu (5,7%) e onde o desemprego mais recuou (-17,3%).

Desde que começou a perder emprego em termos homólogos (no segundo trimestre de 2008), a economia apagou do mapa 720 mil postos de trabalho. Mais de metade (cerca de 387 mil) foram destruídos desde que o governo e a troika começaram a aplicar o programa de ajustamento.

Atualmente, só existem 4,5 milhões de pessoas empregadas em Portugal, um dos valores mais baixos da história recente do País.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

Imagem de 2013 do antigo Convento das Convertidas, em Braga. 
(Sérgio Freitas / Global Imagens)

Veja o mapa com os 50 imóveis que o Estado vai reabilitar para arrendar

ANTÓNIO COTRIM / LUSA

Inquérito à CGD: Berardo, crise financeira e gestão danosa dividem deputados

Outros conteúdos GMG
Portugal só cria empregos nos salários inferiores a 310 euros