Portugal sobe duas posições no ranking europeu de inovação

A Agência Nacional de Inovação considera que os resultados do European Innovation Scoreboard, que compara os sistemas de inovação nos 27 Estados-membros, "não representam a Inovação em Portugal".

Portugal subiu duas posição no European Innovation Scoreboard (EIS) de 2022, ocupando agora a 17ª posição neste ranking de inovação que compara os 27 Estados-membros da União Europeia. O país mantém-se assim no grupo dos "moderadamente inovadores" na União Europeia, para onde caiu no ano passado. Em 2020 estava no grupo dos "fortemente inovadores".

Joana Mendonça, presidente da Agência Nacional de Inovação (ANI), citada em comunicado, afirma que "este resultado é ainda reflexo da revisão metodológica do EIS em 2021, na qual o número de indicadores considerados neste estudo passou de 26 para 32. Esta alteração explica porque Portugal desceu do grupo de países "fortemente inovadores", em 2020, para "inovadores moderados", em 2021. São dados que, no nosso entender, não representam a inovação em Portugal, mas são sim resultado dos indicadores que são monitorizados".

De acordo com a ANI, "Portugal ultrapassa a performance média da UE27 quanto à disponibilidade de recursos humanos altamente qualificados, à atratividade do sistema de investigação, à digitalização e à utilização das tecnologias de informação". Também está acima da média da UE "em indicadores como o nascimento de novas empresas, o total de atividade empreendedora, os fluxos líquidos de investimento direto estrangeiro (em percentagem do PIB) e os não-inovadores com potencial para inovar".

No entanto, fica abaixo da média em áreas como "o investimento das empresas em inovação, registo de propriedade intelectual, impacto da inovação nas vendas das empresas e sustentabilidade ambiental".

Segundo a análise da instituição liderada por Joana Mendonça, os dados revelam que a maior debilidade do sistema nacional de inovação "são as emissões atmosféricas por partículas finas, as despesas empresariais em inovação por pessoa ao serviço, a produtividade dos recursos consumidos e as PME que inovam de forma colaborativa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de