Portugal tem a maior subida da Europa no desemprego jovem

Pedro Passos Coelho e Paulo Portas com uma jovem militante
indicou hoje o Eurostat. Itália e França surgem em segundo e terceiro lugar, respetivamente."> Pedro Passos Coelho e Paulo Portas com uma jovem militante

Portugal registou o maior agravamento da Europa na taxa de desemprego jovem entre julho e agosto, indicou hoje o Eurostat. Itália e França surgem em segundo e terceiro lugar, respetivamente.

A subida no nível de desemprego jovem (ontem revelada pelo INE) foi de 0,6 pontos percentuais, tendo a referida taxa nacional subido de 31,2% em julho para 31,8% da população ativa com 15 a 24 anos em agosto.

Em Portugal, há agora 116 mil jovens sem trabalho, ainda assim menos que os 128 mil observados em agosto do ano passado.

O segundo pior agravamento da União Europeia acontece em Itália (três décimas), empurrando a taxa de desemprego jovem para uns impressionantes 40,7%. A terceira pior evolução acontece em França (0,2), com a respetiva taxa a subir até 24,5%.

Uma menção ainda para o caso de Espanha, que tem o maior nível de desemprego de jovens de toda a UE (48,8% está sem trabalho) e, mesmo assim, piorou uma décima face a julho.

A Letónia e a República Checa foram os países com maiores descidas (1 e 0,7 pontos para 14,1% e 12,4%, respetivamente).

Na taxa de desemprego total, Portugal integra o grupo dos únicos quatro países onde o fenómeno piorou 0,1 pontos percentuais. Chipre, França e Finlândia são os outros. Neste conjunto, os piores casos são, por ordem decrescente: Chipre (15,3% em agosto), Portugal (12,4%), França (10,8%) e Finlândia (9,7%).

O desemprego médio da zona euro manteve-se em 11% (17,6 milhões de pessoas sem trabalho) e subiu uma décima para 22,3% no caso dos jovens (3,1 milhões). Na Europa o problema atinge um total de 23 milhões de pessoas (9,5%), das quais 4,6 milhões (20,4%) têm menos de 25 anos.

O vice-primeiro ministro e líder do CDS desvalorizou. Disse que “comparando com agosto de 2014 há menos 67 mil portugueses no desemprego, menos 1,1%” e que “relativamente ao mês [passado] é mais 0,1%, o que, com alguma frequência sucede em agosto”, afirmou Paulo Portas ontem, citado pela Lusa.

Acontece que os dados do Eurostat e do INE que estão a ser divulgados e analisados são todos ajustados da sazonalidade, pelo que expurgam esse problema referido pelo vice PM.

Em todo ocaso, Portugal não está sozinho. Os sinais de agravamento do mercado de trabalho (total ou jovem) estão a acontecer um pouco por toda a Europa e coincidem com notícias de que a economia voltou a perder gás e que de a zona euro pode estar outra vez a arriscar uma deflação.

Um novo impasse

Em Portugal, escreveu hoje o Dinheiro Vivo, há novos sinais de estagnação no emprego. De acordo com dados oficiais, em agosto, o número de postos de trabalho aumentou apenas 0,1% (mais cinco mil empregos) face a igual mês do ano passado. É o registo mais fraco desde outubro de 2013.

A população empregada diminuiu inclusive face a julho (menos 34 mil), interrompendo um ciclo de retoma que durava desde início do ano. O nível de desemprego também interrompeu a tendência de melhoria, tendo a taxa nacional subido ligeiramente até 12,4% em agosto.

Além disso, o Instituto Nacional de Estatística (INE), que divulgou ontem estes dados, mostrou numa outra publicação que as perspetivas dos empresários relativamente ao emprego que podem conseguir criar nos próximos três meses entraram num novo impasse.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Comissário Europeu Carlos Moedas
( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

“É preciso levantar a voz contra o discurso anti-empresas do PCP e do BE”

Afonso Eça e José Maria Rego, dois dos fundadores, criaram a Raize há cerca de cinco anos. ( Álvaro Isidoro / Global Imagens )

Raize: “Pode haver parcerias com empresas grandes nos próximos meses”

Herdade da Comporta deverá conhecer um novo proprietário em breve. FOTO: Carlos Santos/Global Imagens

Comporta. Proposta de Paula Amorim e milionário francês é a única vinculativa

Outros conteúdos GMG
Portugal tem a maior subida da Europa no desemprego jovem