Indústria Têxtil Vestuário

Portuguesa Natcal instala tinturaria no Cairo

Carlos Couto, CEO da Natcal, na Colombiatex
Carlos Couto, CEO da Natcal, na Colombiatex

Empresa da Maia dedica-se à compra e venda de máquinas recondicionadas para a indústria têxtil

A má sorte de uns é a oportunidade de outros. A Natcal que o diga. A empresa da Maia começou por operar como agente de fabricantes europeus de maquinaria para a indústria têxtil, no entanto, a liberalização do mercado mundial, e os seus duros efeitos sobre a fileira, levaram-na a ter de procurar novos segmentos de mercado. O enorme desaparecimento de empresas que não resistiram à nova ordem mundial foi o ponto de partida para um novo negócio.

“A partir de 2004, e com os encerramentos de empresas em massa em países como Portugal, França, Espanha e Itália, começou a ser difícil a venda de equipamentos novos. Por outro lado, as empresas que desapareciam deixavam disponíveis uma série de equipamentos em segunda mão, mas de boa qualidade. Começamos a fazer a sua compra e recuperação para revenda, mas o mercado nacional, por si, não era suficiente para absorver todos estes equipamentos. Começamos, então, a exportar”, explica Carlos Couto, o CEO da Natcal.

A empresa, que este ano comemora 30 anos, conta agora com armazéns na Maia e em Fafe e com uma equipa técnicos que asseguram os serviços de montagem, desmontagem e recuperação dos equipamentos. Com uma faturação média da ordem dos 1,5 a dois milhões de euros ao ano, a Natcal vende, hoje, os seus equipamentos para países tão diferentes como o Paquistão, a Índia, o Vietname, o Egito, o Bangladesh, o Equador, o Peru ou a Colômbia.

Presente pelo sétimo ano consecutivo na Colombiatex, a mais importante feira do setor têxtil na América Latina, que esta quinta-feira terminou na Plaza Mayor, em Medellín, a Natcal consegue nos mercados externos cerca de 70% das suas vendas. Mas o mercado nacional tem vindo a reforçar o seu peso. “A indústria têxtil portuguesa está em franca recuperação o que implica maior necessidade de compra de equipamentos. Muitas empresas estão a fazer um upgrade das suas máquinas, deixando disponíveis no mercado as que tinham”, diz Carlos Couto.

E por serem equipamentos em segunda mão, não se pense que se trata de máquinas de menor valor. “O Bangladesh é o único país que, realmente, só compra barato. Nos restantes mercados, vendemos para empresas tecnologicamente muito avançadas, mas, também, para unidades que estão a arrancar e que não querem começar investindo em equipamentos novos”, explica.

O segmento de revenda assegura hoje, praticamente, 90% das venda da Natcal. Em novembro, Carlos Couto destacou os seus técnicos para a Nicarágua para aí instalarem um secador especial para malhas. Em fevereiro irá montar, no Cairo, uma unidade completa de tinturaria, equipamentos e estamparia. Um cliente já com tradição no negócio, mas que quis duplicar a sua capacidade de produção, instalando, de raiz, uma nova unidade. Carlos Couto esteve na Colombiatex à procura de novos clientes, para aumentar a sua base no mercado, bem como assegurar um acompanhamento mais próximos aos já existentes.

* A jornalista viajou a convite da Inexmoda

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Nacho Doce/Reuters

Obrigações. Lesados da PT Finance vão processar bancos

Mario Draghi

BCE mantém taxas de juro e programa de compra de ativos inalterados

Rosa Cullel, CEO da Media Capital

Dona da TVI com lucros de 1,9 milhões até março

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Portuguesa Natcal instala tinturaria no Cairo