vencimentos

Portugueses ganham menos 561 euros do que os alemães

A indústria é um dos setores com maior diferencial salarial na Europa
A indústria é um dos setores com maior diferencial salarial na Europa

Fosso salarial. Estudo da Confederação dos Sindicatos aponta a contratação coletiva como o “ingrediente chave” da prosperidade alemã

O salário médio de um português é cerca de 561 euros mais baixo do que um alemão, um valor que tem já em conta os diferentes custos de vida em cada um dos países. Os dados são de um estudo ontem divulgado pela Confederação Europeia de Sindicatos, que compara os vencimentos na União Europeia, tomando a Alemanha como termo comparativo, com base num salário médio de 1500 euros (valor ajustado à paridade do poder de compra). Os mais mal pagos são os romenos, com o diferencial a ultrapassar os mil euros mensais, seguidos dos búlgaros, letões e húngaros.

“A diferença de salários entre os Estados-membros constitui a principal origem das desigualdades na União Europeia”, conclui o estudo. O trabalho contraria o discurso vigente de que os baixos salários são resultado da baixa produtividade dos países, já que, analisando os dados à luz de fatores como as habilitações dos trabalhadores, o nível tecnológico do país, a eficiência administrativa e a qualidade das infraestruturas, se conclui que “a diferença salarial é, ainda, maior”. A exceção parece ser Portugal, onde a diferença face à Alemanha “é parcialmente explicada pela prevalência dos segmentos mais baixos do mercado de trabalho”. Em termos setoriais, o gap é mais significativo na indústria e na construção e menor na hotelaria e restauração ou banca.

“Os trabalhadores do noroeste europeu são mais bem pagos porque têm um sistema mais justo e mais transparente de fixação de salários, envolvendo os sindicatos nas negociações com os empregadores. Este é o ingrediente chave da prosperidade e do sucesso industrial da Alemanha, da Áustria, da Holanda e dos outros países a norte”, diz Esther Lynch, da Confederação dos Sindicatos, em comunicado.

O secretário-geral da CGTP concorda, sublinhando que “o bloqueio à contratação coletiva” tem levado a que “continuemos a ter, anualmente, mais de um milhão de trabalhadores sem atualização salarial”. Pior, diz Arménio Carlos, é que se mantêm as “pressões para desvalorizar salários, por via de outras componentes”, como as horas extraordinárias, o trabalho ao sábado ou em horário noturno. “Ver o trabalho como uma componente secundária da competitividade é destrutivo para o trabalho, para as empresas e para a economia”, desta o dirigente sindical, sublinhando: “Este estudo confirma-o, a Europa está cada vez mais desigual”.

Já o secretário-geral da UGT reconhece que há “diferenças abismais” nos rendimentos dos trabalhadores na Europa e considera que é necessário um aumento efetivo, para além do acréscimo da inflação e da produtividade, que “estreitasse o fosso” existente. “Por isso pretendemos que o salário mínimo suba para 585 euros em 2018 e, por que estamos convictos que o ritmo de crescimento económico se vai manter, queremos que vá além dos 600 euros em 2019”, diz Carlos Silva.

Para os patrões, o “diferencial significativo” nos níveis de produtividade dos países do leste e de Portugal face à Alemanha explicam a disparidade entre os salários. “É interessante notar que o estudo identifica Portugal como uma exceção, dizendo que “a diferente composição da força de trabalho explica, pelo menos em parte, a disparidade salarial com a Alemanha”, refere a CIP em resposta ao Dinheiro Vivo.

Bruno Bobone, da CCIP, reconhece que “há um desafio enorme no nosso país de aumentarmos a produtividade, porque é isso que nos vai permitir aumentar salários e o bem-estar dos trabalhadores”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Gustavo Bom / Global Imagens)

Sofia Tenreiro: “Estamos a captar os portugueses que não queremos que fujam”

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

Bitcoins ou libras de ouro? O que é mais fácil trocar?

Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Fitch dá maior subida de rating de sempre a Portugal e coloca país no grupo da Itália

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
Portugueses ganham menos 561 euros do que os alemães