Comércio eletrónico

Portugueses gastaram 4,6 mil milhões de euros em compras online

Fotografia: Direitos reservados
Fotografia: Direitos reservados

Portugueses gastaram 4,6 mil milhões de euros em compras online em 2017. Metade deste valor foi feito em sites estrangeiros.

No espaço de oito anos (entre 2009 e 2017) o volume de compras online realizadas por portugueses quase triplicou passando de 1,7 mil milhões para 4,6 mil milhões de euros. E a tendência nestes próximos anos será sempre de subida, à boleia da cada vez maior utilização da internet e das redes sociais e de respostas cada vez mais ‘à medida’ das exigências dos consumidores que as novas ferramentas digitais irão permitir afinar de forma crescente.

Aqueles dados integram a última edição do Estudo da Economia Digital, produzido pela ACEPI (Associação da Economia Digital) e pleo International Data Corporation (IDC) que, além de fazer um retrato do que se passou em 2017, avança também com estimativas para os próximos anos. E no que às compras diz respeito, o estudo indica que, em 2025, os portugueses deverão estar a gastar perto de 9 mil milhões de euros em compras online.

Relativamente aos 4,6 mil milhões de euros registados em 2017, os dados revelam que metade deste valor foi para compras feitas no estrangeiro, com gigantes como o eBay, Amazon e Alibaba a surgirem no topo dos sites mais usados para estas compras. Um resultado que, como referiu Alexandre Nilo da Fonseca, presidente da ACEPI, revela como existe ainda um vasto espaço para as empresas portuguesas aumentarem a sua presença na internet e a sua pegada no comércio eletrónico.

O estudo da ACEPI mostra ainda que os smartphones e produtos de eletrónica são os mais comprados online, seguido do retalho da moda e da alimentação. Este último tem registado um forte crescimento não apenas na vertentes de compras de supermercado, mas também na da entrega domiciliária de comida.

Em 2017, o universo de portugueses a utilizar a internet era de 73%, estimando-se que este número avance para os 91% em 2025. E quantos foram os que fizeram compras pela internet ao longo do ano passado? Foram 36% (em 2009 eram apenas 13%) e espera-se que até 2025 este número aumente para 59%.

Do lado das empresas, o volume de negócios efetuado online chegou aos 70 mil milhões de euros no ano passado e espera-se que daqui a sete anos ascenda aos 132 mil milhões de euros.

Estes dados e as estimativas de crescimento levam Alexandre Nilo da Fonseca a referir o “momento crucial de viragem” que se está a viver e que “as empresas portuguesas têm no comércio eletrónico uma excelente oportunidade para endereçarem mais facilmente um mercado de proporções incomparáveis, o que poderá alterar de forma decisiva o equilíbrio da balança comercial digital a favor de Portugal”.

Salientando como a tecnologia representa uma nova forma de as empresas se diferenciarem e evoluir num contexto em que a competitividade é cada vez maior e mais global, o presidente da ACEPI precisou que é neste contexto que esta associação avançou com o projeto Norte Digital – cujo objetivo é contribuir para aumentar o nível de digitalização das empresas.

Ecommerce a caminho do 4.0
Para a ACEPI, em 2018 a abordagem das empresas aos novos modelos de negócio irá “necessariamente contemplar, além do online”, também as redes sociais, o móvel e as lojas físicas – cuja tendência é tornarem-se cada vez mais showrooms dos produtos. Os novos modelos de negócio irão ser assim, dominados pela capacidade de os retalhistas oferecerem experiências cada vez mais personalizadas.

“Conteúdo, comércio, comunidade, contexto, personalização e pesquisa vertical serão as palavras-chave do ecommerce em 2018”, antecipa o mesmo responsável que esta terça-feira apresentou publicamente os dados do estudo. O novo perfil dos consumidores 4.0 vai consolidar-se ao longo deste ano e o ecommerce irá também “refletir a rápida transformação digital dominada pela cloud, pelo mobile, pela big data e pelas redes sociais que está a ocorrer de forma transversal em toda a economia”.

Na mesma ocasião, Alexandre Nilo da Fonseca adiantou ainda que a Portugal Digital Week vai decorrer de 22 a 26 de outubro e que entre os temas em destaque estará o papel que a tecnologia a imprimir à forma de fazer negócios. Haverá também um ciclo temático focado na visão e preocupações dos gestores das empresas, entre muitos outras iniciativas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir juntas até 50 mil milhões no eólico offshore

EDP_ENGIE2

EDP e Engie vão investir juntas até 50 mil milhões no eólico offshore

Da esquerda para a direita: Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado das Finanças, Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

OCDE. Dinamismo das exportações nacionais tem o pior registo da década

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Portugueses gastaram 4,6 mil milhões de euros em compras online