mobilidade

51% dos portugueses têm intenção de mudar para veículo elétrico

elétricos--2b6ccfb5bfa01f816b63c30a0d1a18f2844d7356

A conclusão é do relatório Mobility Monitor da LeasePlan, elaborado em conjunto com a Ipsos.

Os condutores portugueses são dos mais positivos em relação à mobilidade elétrica, com 87% a referirem que têm uma atitude muito positiva quanto à mudança de um atual carro a gasolina ou gasóleo para um veículo elétrico e 51% a confirmarem mesmo que têm intenção de mudar para um elétrico na compra do próximo veículo.

A conclusão é do relatório Mobility Monitor da LeasePlan, elaborado em conjunto com a Ipsos, e que inclui uma secção sobre Veículos Elétricos e Sustentabilidade. Trata-se de um inquérito internacional com 4.000 pessoas, em 16 países (Bélgica, Dinamarca, França, Alemanha, Grécia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Polónia, Portugal, Roménia, Espanha, Suécia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos), sobre os grandes problemas enfrentados pelos condutores e pela indústria automóvel em 2019.

A edição deste ano do Mobility Monitor refere também um aumento na atitude positiva em relação à condução elétrica, com 61% dos entrevistados a indicar que veem a condução elétrica com zero emissões de forma favorável. Quase metade de todos os entrevistados disse que a sua opinião sobre a condução elétrica melhorou favoravelmente nos últimos três anos.

Uma quantidade crescente de entrevistados declarou ter a intenção de fazer um renting de um veículo elétrico. Entre os que planeiam fazer o renting de um carro nos próximos cinco anos, dois em cada cinco (40%) dizem que irão escolher um veículo elétrico. A percentagem de portugueses é ainda superior, 57% a afirmar que pretende fazer um renting de um elétrico na próxima troca de carro.

Os benefícios da condução elétrica são cada vez mais claros: os elétricos contribuem para combater as mudanças climáticas através de menores emissões de CO2 (de acordo com 60% dos que planeiam trocar para um elétrico nos próximos cinco anos); ajudar a melhorar a qualidade do ar nas cidades (43%); e ter um custo operacional geral mais baixo (60%). Algo com que os portugueses concordam: 70% compraria um carro elétrico por ter menos emissões de CO2.

Apesar da avaliação favorável face à mobilidade elétrica, as preocupações práticas em relação às infraestruturas de carregamento apresentam uma barreira efetiva para os entrevistados: 51% dos que planeiam comprar carro nos próximos 5 anos referiram a insuficiente infraestrutura de carregamento como um impedimento para não escolherem um elétrico, sendo essa também a justificação de 53% dos portugueses.

Da mesma forma, 80% dos que referiram que não passariam para elétricos afirmam que as insuficientes possibilidades de carregamento em áreas públicas são uma preocupação, mas menos de metade vê o carregamento no trabalho como uma preocupação.

Já o limite da autonomia do veículo, ou a chamada “ansiedade de autonomia”, foi a razão para 45% dizerem que não mudavam para um elétrico, algo que em Portugal representa uma grande preocupação com 67% a identificarem esse motivo para a insegurança na troca.

A propósito dos resultados, Tex Gunning, CEO da LeasePlan, disse: “O nosso Mobility Monitor 2019 mostra que a procura pública por mobilidade de zero emissões ultrapassa em muito a infraestrutura de veículo elétricos disponível atualmente. Precisamos melhorar esta situação agora. A Comissão Europeia, juntamente com os governos nacionais e as autoridades locais, deve intensificar e agir de acordo com a procura dos cidadãos pela mobilidade de zero emissões, investindo numa infraestrutura de carregamento pan-europeia abrangente. Apenas através de ações coletivas, decisivas e oportunas, seremos capazes de vencer a luta contra as mudanças climáticas e melhorar a qualidade do ar nas nossas cidades.”

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
51% dos portugueses têm intenção de mudar para veículo elétrico