Portugueses são os mais usam cartões virtuais nas compras online

Estudo da Minsait Payments onclui, também, que Portugal é o país que menos numerário usa para pagar as despesas mensais

Os consumidores portugueses são os que mais recorrem aos cartões virtuais nas suas compras online. Segundo o estudo da Minsait Payments, esta sexta-feira divulgado, o cartão virtual já é usado por 34,1% dos inquiridos, o valor mais alto de todos os países incluídos no inquérito. Portugal também se destaca por ser o país que menos numerário usa para pagar as despesas mensais.

Um em cada quatro dos inquiridos em território nacional não fizeram qualquer pagamento em notas e moedas no mês anterior ao inquérito. Os cartões bancários continuam a ser o principal meio de pagamento, preferido por 47,7% dos inquiridos. A quase totalidade dos portugueses inquiridos (97%) tem pelo menos um cartão de débito, uma subida de 2,2 pontos percentuais, e 61,3% tem no mínimo um cartão de crédito, o que representa uma descida de 2,3 pontos percentuais face ao ano anterior.

O estudo, que resulta da auscultação a mais de quatro mil clientes bancários em Portugal, Espanha, América Latina e Reino Unido, e inclui opiniões de mais de quatro dezenas de executivos do sector, destaca que Portugal apresenta, ainda, uma "baixa proporção" de compradores frequentes, com apenas 39,1% dos inquiridos a recorrer à internet para as suas compras pelo menos uma vez por mês. O computador pessoal é o dispositivo preferido para o fazer.

Em termos de segurança, 30,2% dos internautas portugueses admitem que a disponibilidade de diferentes meios de pagamento é um aspeto que lhes aumenta a sensação de segurança quando vão fazer uma compra num portal que nunca utilizaram antes.

Finalmente, e face a uma eventual irrupção dos gigantes tecnológicos no sector bancário, Portugal é o segundo país com menor predisposição dos inquiridos para ceder os seus dados financeiros a este tipo de empresas. "Só 10,7% manifesta interesse em facilitar os seus dados bancários às denominadas Bigtech, mesmo que essa situação de proporcione algum tipo de benefício. Em sentido contrário, mais de 20% dos inquiridos tem interesse em partilhar informação pessoal, que consta das suas redes sociais, com os bancos tradicionais", refere a Minsait em comunicado.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de