estudo

Portugueses vivem pior com reformas que recebem

Reformados

Perto de um quinto dos que se aposentaram não tem o suficiente para viver com conforto, segundo estudo de gestora de investimento Schroders.

Os portugueses conservam uma das fatias mais largas do salário na chegada à reforma, mas estão entre os que vivem pior com os rendimentos que têm. Quase um quinto de quem se aposentou não tem o suficiente para viver com conforto, indica um estudo da gestora de investimentos Schroders.

Segundo o inquérito, 18% dos reformados em Portugal afirmam que não têm rendimento suficiente. Outros 59% dizem que seria bom ter um rendimento um pouco superior. Só 22% estão satisfeitos com o rendimento disponível na aposentação.

Os dados de Portugal contrastam com a média global de resultados para um grupo de 30 países, onde 42% estão satisfeitos com o que têm. Só 15% consideram que o que têm não chega. Outros 43% gostariam de ter uma pouco mais.

Apesar da percentagem elevada de rendimentos abaixo do necessário para um vida confortável em Portugal, os reformados do país são dos que mantêm valores mais próximos dos salários que ganhavam, 72%. A média europeia é de 63%, e a global de 61%.

O Schroders Global Investment Study de 2018 – inquérito a reformados e pessoas em final de vida ativa que têm pelo menos 10 mil euros para investir – mede a disparidade entre as expetativas sobre rendimentos entre quem se aproxima da reforma e quem já deixou o trabalho. Conclui que os portugueses subestimam o custo de vida que terão mais tarde – mas não tanto como a generalidade dos trabalhadores de outros países.

Os dados do inquérito indicam que, enquanto trabalham, os portugueses esperam que 28% da pensão de reforma futura seja suficiente para cobrir as necessidades básicas. Descobrirão mais tarde que, afinal, precisarão, de 45% do valor para fazer face às despesas, segundo o que dão a conhecer os entrevistados no estudo. Há diferença, mas esta é ainda assim menor do que na média global, onde as expetativas encontram um intervalo de 34% para 50%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Portugueses vivem pior com reformas que recebem