Saúde

PPP no Hospital de Braga poupou ao Estado 300 a 400 milhões

O Hospital de Braga é uma das unidades em regime de parceria público privada. Fotografia: D.R.
O Hospital de Braga é uma das unidades em regime de parceria público privada. Fotografia: D.R.

A parceria público-privada (PPP) para a gestão do Hospital de Braga significou, nos últimos 10 anos, uma poupança para o Estado de entre 300 a 400 milhões de euros, foi hoje divulgado pela administração cessante.

Os números foram tornados públicos durante a sessão comemorativa dos 10 anos do Hospital de Braga, sob a gestão da José de Mello Saúde, ao abrigo de uma PPP que dura desde setembro de 2009 e que chegará ao fim em 31 de agosto.

Durante a vigência da PPP, e ainda de acordo com os dados hoje revelados, as consultas no Hospital de Braga cresceram 75%, as cirurgias 101%, as urgências 100% e os exames e análises 313%.

“O Hospital de Braga é hoje um projeto vencedor, ao fim destes dez anos o sentido de dever cumprido não podia ser maior”, afirmou o presidente do Conselho de Administração da José de Mello Saúde.

Para Salvador de Mello, o Hospital de Braga assume-se hoje como “um dos melhores e mais eficientes” do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Sublinhou que, apesar deste “legado” e das “evidências da eficácia da gestão”, a PPP não foi renovada “por iniciativa do Estado”.

“É um capítulo que se encerra e que põe fim a esta história de sucesso”, disse ainda, vincando o “total empenho” da José de Mello Saúde para uma passagem de testemunho “totalmente tranquila”.

No mesmo registo, o presidente da comissão executiva do Hospital de Braga, João Ferreira, destacou que foi “mais do que duplicada” a acessibilidade aos cuidados de saúde especializados, com uma “poupança clara para o erário público”.

Disse ainda que o hospital nunca colocou “qualquer limitação” à prestação dos cuidados de saúde, mesmo com o “constante aumento da procura, muito acima do caderno de encargos da PPP”, contratualizado com o Estado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Os grupos retalhistas têm planos de novas aberturas para o próximo ano. Foto: D.R.

Em dois anos abriram em Portugal quase 300 supermercados

(Amin Chaar / Global Imagens)

CTT vai distribuir entregas urgentes da Revolut em Portugal e Espanha

Fotografia: D.R.

Fornecedores de multinacionais poluem 5,5 vezes mais

Outros conteúdos GMG
PPP no Hospital de Braga poupou ao Estado 300 a 400 milhões