Poupança para a Vida

PPR e ações: uma aposta de poupança que atravessa gerações

Reformados

Uma carteira de ações diversificada e o investimento num PPR são estratégias de poupança válidas para todas as gerações.

A fórmula é básica, o rendimento pode ser utilizado para uma de duas coisas: consumir ou poupar. Em Portugal, apenas 5% do rendimento é reservado para aforro. Mas, como lembra Paulo Rosa, economista e senior trader do Banco Carregosa, se na generalidade os portugueses tendem a poupar pouco, os hábitos de aforro mudam com a idade, crescendo à medida que os anos avançam.

“Regra geral, os hábitos de poupança em Portugal são quase inexistentes entre as gerações mais jovens, nas faixas etárias entre os 20 e os 50 anos. Nas pessoas mais velhas, a taxa de poupança é muito maior – uma tendência que também se verifica noutros países.

Isto explica-se, em parte, pelo facto de as pessoas mais velhas já não terem filhos a cargo e terem um ordenado maior do que quando entraram no mercado de trabalho”, afirma Paulo Rosa. Quando poupam, as opções também diferem consoante as gerações: se os mais velhos têm uma postura mais cautelosa, com preferência por produtos de rendimento garantido e risco (e rentabilidade) quase nulo – em Portugal a preferência continua a ser pelos depósitos a prazo -, os mais novos preferem opções mais arriscadas. Para Paulo Rosa, se no curto e médio prazo esta opção pode ser positiva, no longo prazo é uma estratégia que poderá não funcionar.

Ainda assim, na altura de garantir um rendimento para o futuro – imediato ou mais longínquo – há estratégias que servem de igual maneira avós e netos, como é o caso do investimento numa carteira de ações ou num PPR. “O PPR é um produto que devia ser feito por todas as pessoas. Além de garantir um rendimento complementar, tem benefícios fiscais que, em alguns escalões, rondam os 20%. Na minha opinião, um PPR alicerçado num fundo é sempre uma boa opção”, afirma o senior trader do Banco Carregosa.

Quanto ao mercado de ações, Paulo Rosa não tem dúvidas: é necessário apostar numa carteira diversificada e não centrar tudo em dois ou três títulos ou apenas no mercado nacional. “É possível ter algo do mercado português, com o PSI 20, com o DAX e com o índice dos Estados Unidos, por exemplo. Já é um bom mix”, afirma.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
PPR e ações: uma aposta de poupança que atravessa gerações