Trabalho

Precários ainda são um quinto dos empregados nove anos após a troika

( Paulo Spranger / Global Imagens) .
( Paulo Spranger / Global Imagens) .

População empregada aumentou, mas peso dos contratos a prazo continua a crescer entre os mais jovens.

Em nove anos, desde a chegada da troika (2011), o país ganhou mais 402 mil empregos, 393,3 mil dos quais desde o início da governação do PS, no final de 2015. Apesar desta recuperação, a precariedade tem tardado em recuar e há quem defenda que ameaça tornar-se um “traço estrutural” do mercado de trabalho. A contratação a prazo e a prestação de serviços continuam a representar mais de um quinto do trabalho por conta de outrem, afetando mais os jovens entre os 15 e os 34 anos.

O peso dos contratos a prazo na generalidade do emprego reduziu-se em quatro trimestres consecutivos para ficar, no final de setembro, ainda em 20,5%, agora 1,7 pontos percentuais abaixo do registado no mesmo período do ano anterior e no nível mais baixo desde o trimestre final de 2012. Mas, na quase década que passou, pequenas variações mantiveram o peso do trabalho a prazo ancorado, mesmo com o emprego em alta contínua até aqui. No ponto mais alto, em meados de 2016, tocava os 22,6%.

Comprando com o início de 2011, estamos agora 1,4 pontos percentuais melhor no que diz respeito à globalidade dos trabalhadores. Mas, até aos 34 anos a situação piorou.

De 308 mil trabalhadores com idades até 24 anos, quase dois terços não têm hoje contratos permanentes numa proporção agravada nos últimos nove anos. O peso relativo dos contratos a prazo neste grupo aumentou em 4,4 pontos percentuais para 62,2%. Já para 850 mil trabalhadores com até aos 34 anos, o vínculo de trabalho ainda é a prazo, numa subida de 1 ponto percentual desde 2011.

A partir dos 35 anos, já se sentem melhoras. A taxa de precariedade para mais de um milhão de trabalhadores com até 44 anos está nos 15,1%, caindo 1,2 pontos percentuais desde a crise. Já além dos 45 anos, outro grupo com perto de dois milhões de trabalhadores mantém-se sem alterações. A taxa de contratos a prazo que estava nos 11,4% há nove anos voltou ao mesmo lugar após ter tocado máximos em 2015 e 2016.

Mas, nestes nove anos, o grupo dos trabalhadores até aos 34 anos encolheu em mais de 145 mil indivíduos. Os números perdidos nestas faixas etárias representam menos 11,2% da força de trabalho jovem de 2011. A reconfiguração demográfica, com perda de dimensão dos grupos com as mais altas “taxas” de precariedade entre a generalidade dos trabalhadores, poderá ter contribuído para descida global da taxa de precariedade. , a par das melhorias registadas nos grupos mais velhos.

Exigências do novo ciclo

Com o peso dos contratos a prazo no emprego a manter-se ao longo dos anos acima dos 20%, a Associação de Combate à Precariedade, a Precários Inflexíveis, entende que ausência de vínculos estáveis para uma fatia tão grande de trabalhadores tem-se tornado “estrutural” e procura recolocar na agenda o combate à precariedade. “Tem se ser algo central no novo ciclo político que está prestes a ter início”, defende Tânia Russo, da organização que, na nova legislatura, pretende discutir o tema com os diferentes partidos.

Os Precários querem, em primeiro lugar, que o Programa de Regularização dos Vínculos Precários nas Administrações Públicas (PREVPAP), ao qual concorreram mais de 30 mil trabalhadores a prazo e bolseiros e no qual muitos aguardam ainda pela integração, se conclua com garantias de proteção para quem viu entretanto expirar bolsas e contratos sem um desfecho.

Outra das exigências é o reforço de meios da Autoridade para as Condições de Trabalho, para investir na regularização dos chamados falsos recibos verdes e falsas bolsas. O caderno de encargos também quer limitar abusos no recurso ao trabalho temporário e contratos de muito curta duração.

A associação pede ainda recuos e revisões na legislação laboral nova. Nomeadamente, a revogação do alargamento do período experimental a seis meses no primeiro emprego e após desemprego de longa duração e a revisão da taxa de rotatividade a aplicar às empresas que abusem da contratação a prazo.

Será cobrada por referência a desvios às médias de cada sector, mas para os Precários “comparar com a média do sector significa termos como referência a precariedade”. Ou seja, manter o peso da precariedade no nível de onde há anos teima em não sair.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Precários ainda são um quinto dos empregados nove anos após a troika